sábado, 26 de janeiro de 2013

2º PONTO DOUTRINÁRIO: DOUTRINA DA TRINDADE


Com respeito aos Pontos de Doutrinas e da Fé, a Congregação afirma em seu artigo 2:

“2. Nós cremos que há um só Deus vivente e verdadeiro, eterno e de infinito poder, Criador de todas as coisas, em cuja unidade estão o Pai, o Filho e o Espírito Santo. (Efésios, 4:6; Mateus, 28:19; IJoão, 5:7).

Nota: Esta redação acima não permite duas interpretações, além do que quem afirma O CONTRÁRIO, não procura explicar TODO o artigo 2, as referências Bíblicas acima (Efésios, 4:6; Mateus, 28:19; IJoão, 5:7) que enfatizam o real sentido do que é dito e que são os pilares do que é afirmado, são omitidas por eles para 'provar'(?) seus argumentos. Minha explicação é completa ao não deixar nada de fora, agora examinem as explicações contrárias, só explicam com omissões. Gostaria que explicassem o termo "ESTÃO" à luz do contexto do artigo, 1 João 5.7. Não fazem isto, porque seria como dinamitar seus textos e ainda acionar o detonador! Seus argumentos iriam pelos ares (BUUMM!!).

O erro dos que são contra a mudança do artigo anterior, para o acima mencionado,  se faz presente apenas no vocábulo "estão". Eles perguntam ainda, como o termo pode ser aplicável às "três pessoas distintas"? O erro dos tais está em não observar o ponto doutrinário como num todo, mas apenas o que lhes interessa desprezando todo o contexto. As três pessoas distintas presentes em nosso artigo, estão nas "três testemunhas" referidas pelo mesmo artigo de fé, cuja referência está indicada em I João 5.7; alí ESTÃO as três pessoas. O termo "estão," presente em nosso artigo de fé, deve ser analizado dentro deste mesmo artigo para não se fazer salada do verbo "estar" dentro de outros versos que nada tem a ver com o contexto do ponto doutrinário. Um exemplo: A palavra "manga". Em um verso pode se referir a manga de camisa, em outro ao nome de uma fruta, em outro, o nome de uma cidade. Para afastar toda essa CONFUSÃO como se uma única palavra tenha significados variados dentro do artigo, a forma correta e autêntica é interpretá-la dentro do contexto em que ela é apresentada, e isto sem deixar NADA de fora, esta é a minha proposta neste blog. Uma palavra pode ter aplicações distintas e variadas (como demonstrei), por isso se requer que o mesmo seja entendido dentro do contexto do nosso artigo de fé. Um exemplo disto é a referência apresentada em nosso ponto doutrinário, I João 5.7, que diz:

Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um.

Veja que o texto diz " três são os" e apresenta pessoas que "testificam". Quando o nosso artigo menciona esta passagem, diz que na unidade "estão" as três pessoas ou testemunhas (1 João 5.7). No decorrer deste estudo, o querido leitor irá compreender o que digo. Para que nosso artigo de fé seja interpretado com fidelidade, deve-se interpretar a expressão "estão" à luz do contexto em que está, e não fora dela. Diz um sábio ditado, texto sem contexto é pretexto, e é o que fazem ao apresentar a palavra "estão" fora do contexto do devido tópico; quem faz isso apenas está a torcer o sentido dada pela doutrina.

Posto isto em mente, iniciemos o estudo: 

Ao dizer "estão" em vez de está (singular), reforça-se a pluralidade de pessoas, isto é, o Pai, o Filho (Palavra) e o Espírito Santo (I João 5.7). Afirma-se que há "um só" (hebr. 'echad) Deus, este "um só" não indica quantidade numérica, tipo "um, dois, três deuses" (?), isso é triteísmo, a nossa crença é monoteísta! Quando afirmamos um só Deus, estamos dizendo que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são da mesma natureza Divina. A Congregação explica que esse "um só" (hebr. 'echad) é uma "unidade", isto é, unidade composta, tal qual duas pessoas, o homem e a mulher (Gn 2.24) são "uma só" (hebr. 'echad) carne. Assim, pela unidade composta, a Congregação descarta a ideia equivocada de 'três manifestações' (?) como crêem - erroneamente - os unicistas. Jesus é "um" (hebr. 'echad) com o Pai (João 10.30) e orou para que todos os crentes fossem "um" (hebr. 'echad), assim como Ele é "um" (hebr. 'echad) com o Pai (João 17.22). 

Curiosamente, o irmão Ricardo comentou a passagem acima em seu blog, mas omitindo a parte conclusiva, minha fala está de vermelho e a dele de azul, confira:  "Ao dizer “estão” em vez de está (singular), reforça-se a pluralidade de pessoas (ou coisas)Esta é a regra, porém para toda regra existem exceções." http://bereiano.wordpress.com/2013/02/22/onde-estao-as-tres-pessoas-distintas/#comments 

 Note o leitor, que o amado irmão Ricardo omitiu fazendo um "corte" não indo além da palavra "pessoas" cuja minha frase restante é a conclusiva: "isto é, o Pai, o Filho (Palavra) e o Espírito Santo (I João 5.7)." No lugar disto, ele interpretou como "OU COISAS" (???)! Francamente! Meu estudo não deixa margem de que o Pai, o Filho e o Espírito Santo sejam "COISAS", será porque ele repudiou os termos restantes junto a referência conclusiva que é I João 5.7? A resposta é que meu texto explica o "estão" dentro (e não fora) do ponto doutrinário que leva à uma das nossas bases de doutrina que é I João 5.7, tal referência fala de pessoas que TESTIFICAM, e ele sabe disto mas preferiu omitir a parte conclusiva (para torcê-la?), somente omitindo-a ele poderia 'provar' (?) seus argumentos.

Continuando... Portanto, esta unidade manifesta uma pluralidade de pessoas unidas em um só intento. Esta é a crença genuinamente Trinitariana que defendemos e que está presente em nosso ponto doutrinário. 

Analisemos as referências, onde a Congregação fundamenta sua doutrina trinitariana:

Efésios, 4:6:Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos vós.

Comentário: O texto está falando de pessoas, Deus e Pai de todos, logicamente de seus filhos, todos nós, pessoas.


Mateus, 28:19:Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.”

Comentário: Observa-se que "nome" está no singular, mostrando o Pai com outras pessoas. O nome manifesta o caráter (gr. charakter), o traço característico ou a marca distintiva do ser de Deus. Assim, o singular “nome” indica que tanto o Pai quanto o Filho e o Espírito Santo possuem a mesma característica divina, possuem o mesmo caráter, a mesma essência substancial do ser, da natureza do outro, conforme Hebreus 1.3. Quem ver Jesus é o mesmo que ver o Pai: (...) “Quem me vê a mim vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai?” (João 14.8,9,10). Isaias viu o Rei, Javé dos Exércitos, mas para Paulo é o mesmo que ter visto o Espírito Santo (Isaias 6.5.8; Atos 28.25,26). Outrossim, o singular “nome,” traz a característica "una" do Pai, do Filho e do Espírito Santo.


I João, 5:7:Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um.

Comentário: Nossa doutrina manifesta a crença de que em Deus há três pessoas distintas, pois para dar testemunho de algo, as Escrituras (Deuteronômio 17.6) exigem que sejam dadas por duas ou três pessoas (Mateus 18.16; Atos 5.32). Em Atos 5.32, o Espírito Santo está entre pessoas como testemunhas.

O Trinitarista e erudito Louis Berkhof, na primeira parte do livro de sua lavra intitulada “Teologia Sistemática”, apresenta vária doutrinas, entre elas está a “Doutrina de Deus”, cujo teor trata-se da “Doutrina da Trindade”. Ao apresentar a doutrina presente em várias partes do Antigo Testamento, adentrando no Novo manifestou vários textos que apóiam a crença Trinitariana. Mas o único verso que fala de Trindade (três testemunhas/pessoas - em Deus) de forma direta no Novo Testamento, é exatamente uma em que nosso credo possui sua referência de formulação doutrinária, a saber, I João 5.7. Vejamos o que ele diz sobre ela:

A única passagem que fala de trindade é 1Jo 5.7, mas sua genuinidade é duvidosa, razão pela qual foi eliminada das mais recentes edições críticas do Novo Testamento.” (Berkhof, Louis. Teologia Sistemática, pág. 83, 3ª Edição - 2008. São Paulo, Brasil. Editora Cultura Cristã).


Mas a devida referência está presente em todos os credos que crêem na Trindade, menos entre os unitaristas. Como se pode observar, basta o nosso ponto doutrinário estar amparado em I João 5.7 para nosso credo doutrinário ser facilmente reconhecido como Trinitário, o que vem a denotar falta de conhecimento por parte de quem pensa de forma contrária. Contra fato, não há argumento. Entretanto, também sou partidário de que para evitar murmuração, não deveriam retirar o termo “três pessoas distintas”, embora “I João 5.7” transmita claramente esta doutrina. Destarte, quem possui os olhos embaçados não conseguirá compreender isto com facilidade, o que já está comprovado pelo teor dos nossos críticos.

Assim, a CCB segue fielmente estas três referências, e, pelo fato de a palavra "pessoas" não constar em Efésios 4.6; Mateus 28.19; I João 5.7, as devidas passagens apontam explicitamente que se referem a pessoas, não negando a personalidade do Deus Triúno, o mesmo se dá com a Congregação Cristã, cuja crença doutrinária está amparada nos Textos Sagrados supramencionados. Dizer que os Textos Bíblicos não se referem às pessoas, é o mesmo que atacar estas três referências supracitadas, é usar de argumentos espúrios contra nossa fé, validada pela ortodoxia cristã presente na Palavra de Deus.

Nota: Embora o verso de I João, 5:7 não constar nos manuscritos mais antigos do Novo Testamento Grego, a CCB adota a versão João Ferreira de Almeida, Edição Revista e Corrigida; tal versão apóia-se no Textus Receptus (Texto Recebido), tal texto é amparado por cerca de 95% a 98% de todos os Manuscritos existentes. Os Textos mais antigos que não constam o verso supracitado são chamados de Texto Crítico, onde há sérios erros, omissões e contradições, sendo até mesmo rejeitados por vários eruditos. O Textus Receptus - ou Texto Bizantino - como também é conhecido, é o mais confiável em razão de sua pureza e do uso contínuo pelos cristãos primitivos, o mesmo não se deu com o Texto Crítico. Não irei, aqui, entrar em detalhes quanto a isto, pois o objetivo deste tópico é discorrer sobre a doutrina da Trindade, e não uma exposição dos antigos manuscritos.

DEUS NO ANTIGO TESTAMENTO – O primeiro livro da Bíblia Hebraica é chamado de “bere’shît” (no princípio),  é desta forma que se inicia os Escritos Sagrados:

“No princípio (bere’shît) criou Deus os céus e a terra”. (Gn 1.1). Translitera-se do hebraico: “bere’shît bara’ ‘elohîm ‘et hashamayim ve’et ha’aretz”. (o negrito é meu).

Nota-se, aqui o vocábulo usado para designar Deus é ‘elohîm, cujo termo encontra-se – literalmente – no plural gramatical de ’eloah, sendo reconhecido como um plural “majestático”, mas traduzido no singular referindo-se ao único e verdadeiro Deus, o Deus de Israel. O vocábulo ‘elohîm ocorre cerca de 2250 vezes no Antigo Testamento, cuja palavra é usada, também, para referir-se aos falsos “deuses” (‘elohîm). 

Portanto, o vocábulo Deus manifesta a Divindade do Criador, o que ele é para as Suas criaturas. As Escrituras revelam que há uma pluralidade de pessoas em Deus; na criação de tudo o que existe, quer seja material ou espiritual, estava o Pai, o Filho e o Espírito Santo em ação. Em razão disto, Deus fala de si mesmo no plural dizendo “façamos” e “nossa imagem” (Gênesis 1.26). Após a queda do ser humano, Deus (‘elohîm) afirma que “o humano” (hebr. ha‘adam) se tornou “como um de nós” (ke’achad mimennu) - Gênesis 3.22. Ora, nenhuma pessoa fala de si mesmo no plural sem que outras pessoas estejam com ela com um só propósito.

O nosso Deus é uma unidade composta:

Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor.” (Deuteronômio 6.4). Translitera-se do hebraico: “shema‘ Yisra’el YHVH ‘eloheynu YHVH ‘echad.”

O termo ‘echad (um) é uma unidade composta, acerca do homem e da mulher (Gênesis 2.24) os dois são “uma” (‘echad) carne. Assim, o termo hebraico ‘echad, não está afirmando ser “um” no sentido numérico, mas um de unidade composta, dois seres da mesma natureza se tornam uma só carne (Gênesis 2.24). O Pai, o Filho e o Espírito Santo são da mesma natureza divina, um só Deus. O Filho é a Palavra, é Criador de tudo com o Pai e com o Espírito Santo. O homem foi feito pelo Espírito Santo:

O Espírito de Deus me fez; e a inspiração do Todo Poderoso me deu vida.” (Jó 33.4).

Assim, a Escritura explica a doutrina Trinitária, o Espírito Santo é “um” (‘echad) em Deus (‘elohîm), em razão de Deus dizer de si mesmo “Façamos o homem” – Gênesis 1.26 (hebr. na’aseh ’adam) sendo Deus o Espírito Santo, Criador do homem. Portanto, o Espírito de Deus é distinto do fôlego de vida. Jacó afirmou que Deus (‘elohîm) se revelou para ele (Gênesis 35.7); o que muitos não sabem, é que em nossas Bíblias de língua portuguesa a palavra "revelar" no devido verso está no singular, mas no Original Hebraico está no plural “Deus se revelaram a ele”!

Deus se “revelaram” para ele, Jacó:

 “niglu ’elaiv ha’elohîm” (Gênesis 35.7). A locução verbal “niglu” (hebr. se revelaram) é plural. Portanto, mais uma vez afirma-se uma pluralidade de pessoas na Divindade. O Filho de Deus é chamado de ’el giborDeus forte (Isaias 9.6) assim como o Pai é ’el giborDeus forte (Isaias 10.21); o Filho não só é eterno, como é chamado de “Pai da Eternidade” (Isaias 9.6), sendo, assim, provedor da vida eterna a todos que nEle crêem.

DEUS NO NOVO TESTAMENTO – O Deus Eterno e Verdadeiro, Único Senhor e Soberano revela-se no Novo Testamento mostrando ser a Trindade, doutrina irrefutável e abundante nos escritos da Nova Aliança. O Antigo Testamento aponta a vinda de Deus entre os homens, o Novo Testamento apresenta a chegada e o cumprimento dessas profecias. Isaias profetizou (Isaias 7.14; 8.8) o nascimento do Emanuel (hebr. ‘immanu ’el = Deus conosco), o Novo Testamento registrou a chegada do Deus conosco, Jesus.

No Evangelho de João 1.1, a Palavra, o Verbo, o Logos é Deus. No Novo Testamento Grego é Theós que no Hebraico corresponde a ’elohîm. O apóstolo João iniciou seu evangelho dizendo “no princípio”, aludindo ao primeiro livro da Bíblia cujo nome em Hebraico (hebr. bere’shit) significa “no princípio”. Assim João testificou que no princípio o “Verbo era Deus” (hebr. elohîm); indicando o Filho como sendo o Deus Criador, a Palavra que tudo criou. Jesus é um “parákleto” – I João 2.1 (advogado, consolador), o Espírito Santo é “outro” (João 14.16) – allos, da mesma natureza. Quando a incredulidade de Tomé foi dissipada, ele pôde reconhecer publicamente a Jesus chamando-o de “o Senhor meu e o Deus meu” (João 20.28):

ho Kyrios mou kai ho Theos mou. (João 20.28).

Todas as criaturas devem honrar Deus, o Pai, prestando-lhe adoração, esta mesma honra deve ser dirigida ao Filho:

Para que todos honrem o Filho, como honram o Pai. Quem não honra o Filho, não honra o Pai que o enviou.” (João 5.23). 

De fato: "E outra vez, quando introduz no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem." (Hebreus 1.6).

Jesus Cristo é o Verdadeiro Deus:

E sabemos que já o Filho de Deus é vindo, e nos deu entendimento para conhecermos o que é verdadeiro; e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna.” (I João 5.20).

Nota-se que Isaias viu o Rei, o YHVH dos Exércitos - Adonay – e que Este falou com ele (Isaias 6.5, 9,10), mas o apóstolo Paulo disse aos judeus que quem Isaias viu e falou com ele foi o Espírito Santo (Atos 28.25,26,27):

Então disse eu: Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos. (...) Então disse ele: Vai, e dize a este povo: Ouvis, de fato, e não entendeis, e vedes, em verdade, mas não percebeis. Engorda o coração deste povo, e faze-lhe pesados os ouvidos, e fecha-lhe os olhos; para que ele não veja com os seus olhos, e não ouça com os seus ouvidos, nem entenda com o coração, nem se converta e seja sarado.” (Isaias 6.5,9,10). – O itálico e negrito são meus.

Paulo disse que, quem Isaias viu e falou, foi o Espírito Santo:

E, como ficaram entre si discordes, despediram-se, dizendo Paulo esta palavra: Bem falou o Espírito Santo a nossos pais pelo profeta Isaias, dizendo: Vai a este povo, e de maneira nenhuma entendereis; e vendo vereis, e de maneira nenhuma percebereis. Porquanto o coração deste povo está endurecido, e com os ouvidos ouviram pesadamente, e fecharam os olhos, para que nunca com os olhos vejam, nem com os ouvidos ouçam, nem do coração entendam, e se convertam, e eu os cure.” (Atos 28.25,26,27). - O itálico e negrito são meus.

Portanto, o nosso artigo de fé, trinitariano, está muito bem fundamentado na Palavra de Deus (hebr. ‘elohîm). Finalmente, há muitas outras passagens que não foram mencionadas, e, é salutar explicar que embora não haja na Escritura a palavra “Trindade”, tal termo serve apenas para expressar uma doutrina presente nas Escrituras, do mesmo modo que a palavra “lei da gravidade” também não existe na Bíblia, o termo serve apenas para dar nome ao que a Bíblia chama de “palavra do seu poder” que sustenta e move todas as coisas (Hebreus 1.3).

Deus vos abençoe.

Romário N. Cardoso

Fontes:

. Hinos de Louvores e Súplicas a Deus - Livro nº 5, Pontos de Doutrina e da Fé que uma vez foi dada aos Santos, CCB;
. Antigo Testamento Interlinear Hebraico Português, Vol. I – Torah. Sociedade Bíblica do Brasil;
. Bíblia Hebraica Stuttgartensia. Sociedade Bíblica do Brasil;
. O Novo Testamento – O Texto Grego, Base da Versão de João Ferreira de Almeida de 1681, Trinitarian Bible Society;
. Bíblia Apologética de Estudo, ICP – Instituto Cristão de Pesquisa;
. Holladay, William L. Léxico Hebraico e Aramaico do Antigo Testamento. Vida Nova;
. Schökel, Luiz Alonso. Dicionário Bíblico Hebraico-Português, Paulus.

40 comentários:

  1. Deus abençoe pela resposta na postagem sobre a mudança no primeiro ponto de doutrina.

    O irmão pode por favor analisar a mudança no quinto ponto de doutrina?

    Deus abençoe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém, meu querido...
      Tudo bem, vou analisar, assim que estiver pronto, vou postar aqui no blog.

      Que Deus o abençoe.

      Excluir
  2. A cúpula eclesiastico-ministerial da CC colocou-se muito a jeito para o murmúrio que envolve estas insólitas trocas e baldrocas à base textual da nossa fé; os nossos pontos de doutrina.

    Para uma igreja que aposta na simplicidade, desde a sua posição litúrgica que é fiel à sua origem já centenária, quer à forma como se liga à sociedade da qual faz parte (ou seja, não se liga), etc, etc, promover tais alterações sem prestar qualquer explicação, partindo do princípio que a sua membrasia iriam comer e calar foi uma não habitual manifestação anti-ortodoxal, que, pasme-se, causou estranheza.

    Sempre ouvi dizer, qual máxima protecção da ordem decorrente da humilde posição doutrinária, que "éramos" avessos a novidades... pois. Afinal parece que ainda há algo a espremer de um conjunto de textos escritos há quase 2000 anos.

    Hoje são os pontos de doutrina, amanhã estamos a ir 2 a 2 de porta em porta a anunciar o reino da Congregação Cristã na terra.

    Aprecio o seu exercício de exegese aos novos pontos de doutrina, e sim, vou marcar o Blog nos favoritos para voltar, mas perdoe-me o desabafo, o caro irmão está a justificar o injustificável.

    Temos um ditado aqui em Portugal que diz o seguinte: "Em equipa que ganha não se mexe!"

    As alterações produzidas, parecem inócuas à luz das suas explicações, mas eu estou bem mais preocupado com o motivo pelo qual elas foram produzidas, e esse motivo, pode até um mundo inteiro escrever sobre, mas só o saberemos se o silêncio se fizer mudo, e alguém proferir uma sóbria e há muito necessária palavra de esclarecimento. Ontem, já era tarde!

    Aguardemos pois, com a longanimidade que aprendemos do Senhor que nos ama de forma inexplicável.

    Deus o abençoe e a todo o auditório,
    Vitor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu querido irmão, nossos críticos são impulsionados por pelo menos dois motivos:

      1) Não entendem o que lêem: - O que vem a denotar uma insuficiência cultural.

      2) Simplesmente por querer criticar: - Afinal, se não alfinetar a CCB não estará bom. Neste segundo caso - a meu ver - está incutido uma insuficiência argumentativa, o de criticar... Ainda que sem fundamento algum.

      Quanto as devidas alterações serem 'inócuas' à luz de minhas explicações, o nobre e ilustre irmão deveria ter apontado onde estaria o 'injustificável'(?). Minhas explicações segue à risca conforme o que ESTÁ ESCRITO no devido artigo de fé. Caso o irmão observar um desvio que não esteja de acordo as referências Bíblicas citadas no devido artigo de fé... Esteja à vontade para apresentá-las, estou aqui para analisar seus argumentos à luz do nosso artigo doutrinário.

      Deus o abençoe.

      Excluir
    2. Irmão Daniel,
      O que eu quis expressar é que o caro fez a exégese dos "novos" pontos de doutrina por forma a encaixá-los na doutrina apostólica que acreditamos por verdade inerrante.

      Perdoe-me a reles comparação -o seu trabalho foi feito com muita mais classe-, mas comparo esta situação como se eu defendesse a minha Igreja que diz que 2+2 são 3, apenas porque esse número (três) escrito por extenso tem 4 letras, resultado correto da soma inicial.

      Ou seja, justificou (e bem), o injustificável.

      E digo injustificável porque eu quanto a estas alterações tenho duas observações a fazer, que temo o irmão nunca possa esclarecer:

      1ª- Se os pontos originais estavam corretos e serviam o seu propósito (alicerces capazes de sustentar o "edifício" da nossa fé), porquê a mudança?

      2ª- Se o intuito bíblico do presbítero (o que presta) é o serviço à Igreja e seus membros, e se esse serviço só tem validade se for executado com humildade, observando desta forma os mandamentos do Senhor, porque motivo esse mesmo presbitério usa de uma posição de responsabilidade como se essa fosse igual a autoridade e nós todos (membrasia) sejamos obrigados a aceitar todas as suas decisões sem questionamento?

      Já vi e li muito sobre seitas como os TJ´s, e estas situações de encobrimento a decisões tomadas são tão similares entre si (nós e eles) que receio pelo futuro da nossa Igreja.

      E desculpe a comparação absurda com os TJ´s, mas se o caro analisasse os seus pontos de doutrina e forma rebuscada que usam para os encaixarem na perfeição em versículos bíblicos, fazendo-se passar por uma Igreja séria Cristã, decerto perceberia porque motivo eu considero estes assuntos tão sérios.

      Deus o abençoe, e a todo o auditório.
      Vitor, CC em Portugal

      Excluir
    3. Caro irmão Vitor Silva, ainda estou no aguardo da pergunta que lhe fiz:

      "Minhas explicações segue à risca conforme o que ESTÁ ESCRITO no devido artigo de fé. Caso o irmão observar um desvio que não esteja de acordo as referências Bíblicas citadas no devido artigo de fé... Esteja à vontade para apresentá-las, estou aqui para analisar seus argumentos à luz do nosso artigo doutrinário."

      Clareando mais a pergunta acima: Onde o devido artigo de fé está negando a Doutrina Trinitária antes professada, onde não há harmonia entre o Artigo de Fé Doutrinário com as devidas referências do Texto Sagrado?

      Isso o irmão não respondeu nem procurou explicar- fielmente - o devido tópico para "encaixar" sua crítica, isto é, dar embasamento. Só estou esperando minha pergunta ser respondida - satisfatoriamente - para então eu dar uma resposta aos teus últimos comentários, resposta esta que, aliás, já se encontra digitada.

      Estou no aguardo.

      Deus o abençoe.

      Excluir
  3. Prezados irmãos;
    É obvio que nosso interesse (CC) é de servir a Deus, mas os que combatem nossa fé procuram deturpar o nosso singelo amor cristãos, protestam contra nossa doutrina constantemente, “o assento da imagem do ciúmes“ (Ez. 8;3).
    Chamam-nos de obtusos, proselitistas, etc... Vilipendiam nossa crença (art. 208 CP.).
    Muitos usam de hermenêutica teológica, outros simplesmente nos odeiam ate mesmo sem motivos justificado, são do contra e se preocupam muito com nós, “E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?” (Mt. 7;3), mas todas essas coisas são passagem obrigatória em nosso peregrinar terreno. Esse combatimento constante faz parte de nosso dia a dia.

    Mas é incontestável, estamos passando momentos de assimilação. “Regozijai-vos sempre. Orai sem cessar. Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco. Não extingais o Espírito. Não desprezeis as profecias. Examinai tudo. Retende o bem”. (I Tess. 5:16-21).

    "Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que sejais havidos por dignos de evitar todas estas coisas que hão de acontecer, e de estar em pé diante do Filho do homem. " (Lc 21:36).
    É claro que devemos temer quanto ao futuro, e ficarmos atentos se novas mudanças irão surgir e de onde virão? “E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos.” “se possível fora, enganariam até os escolhidos.” (Mt 24:11,24).

    Deus nos abençoe!

    ResponderExcluir
  4. Caro irmão Vitor Silva, resolvi não esperar sua resposta e postar a minha:

    Onde mais o devido ponto Doutrinário deveria estar “encaixada”, isto é, ajustada, a não ser nas Escrituras e/ou Doutrina Apostólica? Não creio que assuntos Bíblicos deveriam se ajustar em revistas e jornais, mas na Infalível Palavra de Deus. Afinal, não é a Palavra que deve ser ajustada a nós; pelo contrário, nós, a Ela! Porventura os textos citados e seus respectivos pontos referenciais não são Bíblicos? Portanto, prezado, argumentos sem nexo não irão “desajustar” (desencaixar) nossa doutrina da única regra de fé e Prática: - A Palavra de Deus!

    Perdoa-me também por ter de dizer-lhe, mas meu trabalho foi elaborado dentro do que está escrito no devido ponto doutrinário, e isso não é defender “minha igreja”, mas a fé estampada nas Escrituras, cuja sustentação doutrinária está nas referências já citadas. Quanto ao “por extenso”, para nós o que importa é o resultado 2+2 = 4! Agora, se o irmão encontrou um resultado equivocado de 2+2 que seja 4, por certo, deve estar mal formulada em seus argumentos, me perdoe por ter de dizer isto. O devido artigo de fé presente no hinário 5 de modo algum está negando o mesmo resultado do hinário 4, que é a doutrina Trinitariana da Congregação, a distinção de pessoas, isto já é explicado em meu texto. Tanto 2+2 é igual a 4, quanto 3+1, os termos usados tanto em um quanto no outro não alterou nossa fé. O resultado contrário está apenas na cabecinha dos incautos.

    Meu querido irmão, até agora a sua nobre pessoa não ‘justificou’ o INJUSTIFICÁVEL, isto é, suas críticas ao devido artigo de fé presente no Hinário 5 quanto a devida alteração.

    1º- Se os pontos originais estavam corretos e servia seu propósito, a mudança contida no hinário – Livro 5 – porventura deixou de estar correto não cumprindo o mesmo propósito que é o de “ser capaz de sustentar o “edifício” da nossa fé?” Se não, por que então validar ou dar ouvido a uma crítica ilegítima ou insignificante?

    2º - Se o intuito de todo membro é servir a Deus com humildade, obedecendo a Seus mandamentos possuindo esta autoridade prática e normativa sobre os fieis, porque justificar uma crítica infundada - sabe se lá onde - contra uma doutrina que está estabelecida na Palavra de Deus? Está o artigo doutrinário negando a Trindade ou distanciou-se de seus referenciais? Se não, é espúrio criticar simplesmente por criticar, correndo ainda o risco de escandalizar algum fraco na fé. A crítica – construtiva - sempre é bem vinda, desde que fundamentada.

    Então, querer justificar, (e mal) – me perdoe por dizer-lhe isto - uma crítica injustificável? Quanto ao dito anterior “Em time que se ganha, não se mexe”, com a devida mudança de termo, em nada foi “mexido” na fé Trinitária; esta, no devido artigo doutrinário permanece a mesma, inabalável!

    Quanto ao que disseste: “Já vi e li muito sobre seitas como os TJ´s, e estas situações de encobrimento a decisões tomadas são tão similares entre si (nós e eles) que receio pelo futuro da nossa Igreja.”

    Meu querido, com a comparação feita pelo irmão entre a CCB e as TJ, apenas serve para aumentar minhas suspeitas sobre sua crítica, realmente, está a criticar aquilo que nem ao menos entendeu, a comparação errônea é para lá de gritante, serve para comprovar minha suspeita acerca de sua crítica.

    Afinal, comparar o credo Doutrinário da CCB com as TJ, apenas denota falta de conhecimento no teor de suas palavras. Assim, à luz de seu argumento; caso o nobre irmão – apenas uma suposição - fosse fundar alguma nova igreja, não iria embasar NA BÍBLIA os pilares da sua fé doutrinária? Para criticar o devido artigo de fé, deveria ter estudado a questão com mais circunspeção, pois até agora falou, falou, e terminou por não dizer absolutamente nada. Eu quero ARGUMENTO SÓLIDO, EMBASADO, onde está o erro em nossa doutrina?

    Quanto à causa da mudança de termos, digamos... Seis por meia-dúzia, e a devida “causa”, isto é o de menos...

    O que importa é que nossa doutrina permanece a mesma, inalterável, inabalável!

    Deus o abençoe.

    ResponderExcluir
  5. Caro irmão Romário,
    Se o irmão não considera perigoso andar a trocar definições teológicas para permitir que um mesmo texto sustente uma verdade doutrinal e o seu oposto, estamos então conversados e não vale a pena esgrimirmos qualquer argumento mais sobre esta questão.

    O caro irmão denota conhecimento excelente "nestas cousas" pelo que muito me espanta estar a carregar constantemente na mesma nota, repito, querendo justificar o injustificável.

    Se o caro irmão não se importar, deixo-lhe um desafio;
    Tente, usando apenas o texto atual dos nossos artigos de fé, argumentar que nós, a Igreja da Congregação Cristã no mundo, não é Mononarquianismo-Modalista/Sabelialista. É que sem o "pessoas" fica fácil haver confusão... completamente desnecessária, claro.

    Se não percebeu o meu comentário em relação às semelhanças com os TJ´s, digo-lhe que Noeto, Sabélio e Arius eram "primos" (família Herética) e juntos fizeram mais mossa à verdade contida nas escrituras do que se possa imaginar, dando os seus postulados doutrinais origem a heresias que ainda hoje destroem Igrejas inteiras e lançam incautos no fogo que não tem fim.

    Eu sou Trinitário, e gosto que os pontos de doutrina da Igreja da qual faço parte o declarem sem sombra de dúvida, o que agora, depois desta infeliz mexida, deixou de ser possível.

    Agradeço e devolvo os desejos e votos de bençãos de Deus.

    No amor que de Deus imerecidamente recebemos, seu irmão em Cristo Jesus
    Vitor Silva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço-lhe novamente pelo comentário, irmão; assim, vejamos uma resposta ao 'desafio':

      "2. Nós cremos que há um só Deus vivente e verdadeiro, eterno e de infinito poder, Criador de todas as coisas, em cuja unidade estão o Pai, o Filho e o Espírito Santo. (Efésios, 4:6; Mateus, 28:19; IJoão, 5:7."

      1 - NÓS CREMOS = "Nós" é pronome pessoal da primeira pessoa no plural, obviamente, o verbo "crer" por questão de gramática exige que haja uma concordância verbal, "CREMOS". Assim, o devido credo aponta uma crença compartilhada por "pessoas" (plural) e não "pessoa" (singular).

      2 - QUE HÁ UM SÓ DEUS VIVENTE E VERDADEIRO, ETERNO E DE INFINITO PODER, CRIADOR DE TODAS AS COISAS, EM CUJA UNIDADE = TODOS OS TRINITARISTAS compartilham a crença de que há "um só" Deus, e que este "um só" para todos os Trinitaristas é de "UNIDADE", isto é, "unidade composta."

      3 - ESTÃO O PAI, O FILHO E O ESPÍRITO SANTO = Como o nosso credo é Trinitário, mais uma vez torna-se necessário por questão de concordância verbal, mostrar uma pluralidade distinta entre os seres apresentados, que o verbo "estar" esteja no plural "estão". Ora, se crêssemos que o referido Pai, o Filho e o Espírito Santo fossem a mesma pessoa, não diríamos "ESTÃO", mas "ESTÁ"!

      Qual credo Trinitário irá NEGAR que Deus o Pai, o Filho e o Espírito Santo não "ESTÃO" em perfeita UNIDADE? Respondo: Nenhum credo Trinitariano vai negar que as três Pessoas da Trindade ESTÃO numa unidade absoluta, pois os três são da mesma natureza inseparável!

      Ora, o Filho "ESTÁ" em perfeita unidade com o Pai; o Pai ESTÁ em perfeita unidade com o Filho (está nEle); o Espírito Santo, por sua vez ESTÁ em perfeita unidade com o Pai e com o Filho! Assim, por questão concordância verbal a lógica gramatical exige: O Pai, o Filho, e o Espírito Santo "ESTÃO" em perfeita unidade entre si.

      O ponto referencial do devido artigo de fé possui seu apoio Doutrinário que distingue um Ser do outro está Mateus 28.19:

      “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.”

      A devida passagem diz em nome DO Pai, E DO Filho, E DO Espírito Santo.

      Ora, para que serve esse "E DO", se não para distinguir o Filho do Pai, e o Espírito Santo do Filho? Portanto, prezado irmão, esse "E DO" serve para marcar a DISTINÇÃO das pessoas de que se fala o texto.

      Também, creio que somente este texto é suficiente para mostrar a devida distinção das pessoas.

      Nem vou citar outro referencial presente em nosso artigo de fé, que é I João 5.7 onde o Pai, o Verbo e o Espírito Santo são "TRÊS" TESTEMUNHAS! Portanto, somente Pessoas poderiam dar seu testemunho a respeito de algo, como exige as Escrituras. O Pai testifica do Filho, o Filho testifica do Pai e o Espírito Santo testifica do Filho.

      I João, 5:7: “Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um.”

      O verbo "ser", também, por questão de concordância verbal, por estar falando de "TRÊS SÃO" (Trindade), logicamente teria de estar no plural "SÃO UM"!

      Portanto, Três Pessoas em Um, e Um em Três, esta é a Doutrina de TODOS os Trinitaristas presente em nosso artigo doutrinário!

      Será que a dita 'família herética' compartilha do credo? - Por não serem Trinitários, creio que não concordarão.

      Deus o abençoe.

      Excluir
    2. Ah! Por pouco deixava de mencionar que em I João 5.7, conforme rege a própria concordância verbal, por estar falando de Três (Trindade), o verbo "testificar" necessariamente está no plural: TESTIFICAM!

      Ora, uma pessoa "testifica", mas Três "TESTIFICAM"!

      Deus abençoe.

      Excluir
    3. Caro irmão Romário,
      Temo que a nossa distância física, o meio pelo qual comunicamos, e a minha inabilidade de lhe conseguir explicar o meu ponto de vista estejam a tirar algum prumo à conversa que vamos mantendo.

      Eu não queria que o irmão me explicasse a Trindade, porque sou Cristão reformado e sei bem qual é a natureza do nosso Deus e as 3 pessoas em quem Ele é.

      O que eu queria é que o irmão visse esta mudança do meu prisma: A alteração ao ponto de doutrina era escusado porque anteriormente definia a natureza de Deus de forma bíblicamente correta e clara como água, e agora tornou-se permeável a doutrinas heréticas como o sabelianismo/monarquinismo. Ou o irmão acha que todo o Ministro da Palavra sabe explicar "preto no branco" e de forma a que não restem confusões isto que estamos aqui a conversar?

      Sabelialismo:
      O sabelianismo, um movimento religioso organizado por Sabélio, cerca do ano 375, confundia a pessoa de Cristo apenas com uma faceta ou manifestação de Deus. Ensinava que o Pai, o filho e o Espírito Santo são uma só pessoa e a mesma essência, três nomes apenas dados a uma só e a mesma substancia.

      "Deus, com respeito à hipótese é um, mas foi personificado na Escritura de várias maneiras, segundo a necessidade do momento"

      Tente rebater por favor esta afirmação anterior de Sabélio usando APENAS o ponto de doutrina número 2 do nosso (novo) hinário que reflete tão só os nossos (novos) estatutos. Não vai conseguir, e conseguindo-o vai supor considerações que não estão taxativamente declaradas no texto atual, mas que estavam no anterior.

      A palavra "Pessoas" é de essencial importância, e por isso está incluída em todas as declarações de fé de Igrejas Cristãs reformadas sejam elas pentecostais ou não.

      Este é o motivo de tanta celeuma: mexeu-se sem motivo num texto até então perfeito, apenas para o tornar incapaz de contrariar doutrinas heréticas que estavam refutadas há mais de 1500 anos.

      Deus o abençoe irmão Romário e restante auditório,
      Vitor

      Excluir
    4. Amado irmão Vitor

      Há uma discrepância presente no seguinte ponto, analise comigo:

      Se o artigo 2 da Congregação incluía a palavra "Pessoas",por questão de lógica as devidas referências de Efésios 5.6;Mateus 28.19 e João 5.7 terão de concordar em seu CONTEÚDO de que se tratam realmente de três Pessoas. Assim, havendo provas cabais nas referências apontadas, nada há de mais em dizer no próprio credo que se referem a "Pessoas", ainda que este termo não esteja nos versos citados.

      Ora, se pelo fato de o mesmo artigo não constar o termo "Pessoas", porventura as devidas referências perderão em seu conteúdo a afirmativa textual de personalidades? Absolutamente não perderá! Não é a 'necessidade'(?) de acrescentar o termo "Pessoas" que irão ventilar nos textos as provas cabíveis de personalidades existentes.

      São os respectivos TEXTOS que ventilam ao homem de dizer - coerentemente aos mesmos - que as devidas referências se tratam realmente de pessoas distintas... e NÃO O CONTRÁRIO. Portanto, o que é de "essencial importância" são os TEXTOS apresentarem estas provas cabais de personalidades distintas, e não uma palavra inserida num credo; pois a Palavra deve concordar com o texto e o texto com o credo. Ora, os TEXTOS concordam com a palavra inserida "PESSOAS" e vice-versa. Sem contar que os "Sabelianos" ou a dita família herética rejeitam I João 5.7, sabe porque? Exatamente porque a distinção das "Testemunhas" que, obviamente, precisam ser Pessoas é mais claro que cristal! Sem contar que os devidos textos devem ser observados à luz de seus respectivos contextos. Uma doutrina presente em determinado credo, quando esta aponta trechos referenciais, significa que os devidos textos foram retirados de um contexto para se estabelecer a doutrina. Os referidos apontamentos referenciais estão no ponto de doutrina 2, portando, minha analise está de acordo a ela. Toda essa "celeuma", irmão, está na insistência em apontar um erro que na verdade inexiste no presente artigo de fé. As explicações que tenho dado a pedido do irmão, tem por base "Efésios 5.6;Mateus 28.19 e João 5.7", como textos consultados para a devida doutrina, e esta, está no ponto de doutrina 2, do Novo Hinário. Assim, não apresentei algo fora do devido ponto de doutrina. Examine minha resposta ao irmão "Szmyhiel", que por si só, já rebate o sabelianismo.

      Analise uma coisa: Embora os credos trinitarianos creiam que as devidas passagens se referem às Pessoas, o unitarismo nega afirmando ser uma só pessoa e não "Pessoas."

      Eles podem acusá-lo de "acrescentar" algo à Palavra de Deus, o que o tornaria um herege, afinal, o vocábulo "pessoas" não constam nas devidas referências Bíblicas apontadas... Aliás, em nenhuma! Apenas está subtendido nos resferidos textos. O que farão então TODOS os Trinitarianos? Porventura não farão o mesmo que eu mostrando nos respectivos apontamentos que se referem realmente às "Pessoas"? Não é este o meu trabalho elabora em resposta ao irmão "Szmyhiel?

      Qual estudo Trinitário não busca a analogia das Escrituras para provar a uniformidade da Doutrina com outros textos paralelos?

      Á luz deste pormenor, e das explicações anteriores, creio ter ficado entendido.


      Excluir
  6. Caro Romário,

    Entendo assim:

    Em cuja unidade ESTÃO, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Se dissermos ESTA, não é por que são a mesma pessoa, é por que estamos errando a concordância. Três pessoas distintas, parecia explicar a condição do Pai, do Filho e do Espirito Santo na Unidade Divina.

    E uma "manifestação" TESTIFICA,e três "manifestações" TESTIFICAM. Por isso a necessidade de explicar quem e como são os que testificam.

    Minha humilde opinião,

    Em Cristo,

    ResponderExcluir
  7. É exatamente aí que reside o erro unitarista. Não se exige na Escritura o testemunho de três 'manifestações'. Todas as vezes que a Escritura exige duas ou três testemunhas, não se concebe "testemunho" de 'manifestação'(?), mas de pessoas. Três manifestações, mas uma pessoa. Portanto, o que é legitimado pela Palavra de Deus e o testemunho da pessoa. Uma pessoa não pode assumir três identidades para dar testemunho de algo. Perante a Lei isso é "embuste", é assumir duas identidades falsas. O Filho é herdeiro do Pai, e não herdeiro de si mesmo. Em lugar algum da Bíblia se exige testemunho de três manifestações, isso é heresia. É acréscimo à Palavra de Deus para satisfazer um conceito inconcebível. Aliás, três são os que "testificam" no céu. O Filho (a Palavra) testifica no céu à direita do Pai, e não à direita de si mesmo. A Palavra no Céu, roga ao Pai, e não a "si mesmo" (é contraditório). O Filho é herdeiro do Pai, então, isto exige a ocupação do Pai como Testador. Herdeiro e Testador é formado por duas pessoas, e não por uma só, prova-se aí a incoerência.

    Destarte,o "E DO" (Mateus 28.19) é termo distintivo entre um e outro. Portanto, a questão de 'três manifestações' não possui apoio no próprio texto apresentado. Nada mais é do que desvio de interpretação. A devida heresia não possui apoio no texto ora apresentado, mas exige-se pessoas para serem testemunhas, "três".

    Resumindo: A Bíblia descarta a ideia de três manifestações de uma pessoa para servir de testemunha. O correto é seria um testemunha se apresentando em três manifestação... Mas não é isso que a Escritura reclama, a Palavra de Deus exige três testemunhas, em TODA a Bíblia para FALAR em tribunal, só pessoas podem prestar seus depoimentos.

    Assim, embora as devidas passagens de "Efésios 4.6; Mateus 28.19 e I João 5.7 não tenham escrito em seu conteúdo a palavra pessoas, de forma insofismável provam pelo conteúdo que são pessoas. E isto, ficou bem detalhado. Agora, gostaria que o querido irmão apontasse na Escritura onde Deus, pela Palavra diz que "manifestações" de uma só pessoa podem ocupar o lugar de três pessoas para darem testemunho. Apenas confira Deus mesmo repudiando que uma só pessoa se levante para dar testemunho de alguma coisa:

    "Uma só testemunha contra alguém não se levantará por qualquer iniqüidade, ou por qualquer pecado, seja qual for o pecado que cometeu; pela boca de duas testemunhas, ou pela boca de três testemunhas, se estabelecerá o fato."
    (Deuteronômio 19:15).

    Embora o conceito apresentado pelo irmão apresenta "três manifestações", para o unitarista é ocupado por uma "única pessoa". Este conceito não satisfaz a Palavra de Deus, mas as doutrinas dos homens.

    I João 5.7, diz que no céu a três testemunhas, o Pai, a Palavra e o Espírito Santo, cumprindo Ele mesmo a sua Palavra aos homens, dando o exemplo infalível.

    Deus o abençoe.

    ResponderExcluir
  8. Amém..

    Confuso para mim...

    Em Cristo,

    ResponderExcluir
  9. O irmão Vitor Silva disse:

    ""Deus, com respeito à hipótese é um, mas foi personificado na Escritura de várias maneiras, segundo a necessidade do momento"

    Tente rebater por favor esta afirmação anterior de Sabélio usando APENAS o ponto de doutrina número 2 do nosso (novo) hinário que reflete tão só os nossos (novos) estatutos. Não vai conseguir, e conseguindo-o vai supor considerações que não estão taxativamente declaradas no texto atual, mas que estavam no anterior. "

    Cumprindo o pedido do devido irmão, irei refutar a afirmação de Sabélio dentro do nosso ponto de Doutrina 2, presente no novo Hinário.

    1 - Nosso ponto de doutrina aponta uma referência Bíblica onde nossos irmãos se serviram para formulação doutrinária, a saber I João 5.7, que diz:

    “Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um.”

    Esta referência está presente em nosso novo Hinário. Ora, os unitaristas rejeitam esta referência exatamente por ser - clara como água - Trinitária. Segundo eles, os unitaristas, este verso não consta nos manuscritos mais antigos, dizendo mais que foi inserida na Escritura para apoiar a doutrina Trinitária, apresentando "três testemunhas no Céu".

    Argumentam Sabélio, que Deus "foi personificado na Escritura de várias maneiras, segundo a necessidade do momento."

    Ou seja, Sabélio cria apenas em uma pessoa em Deus, diz que em dado momento, Deus se apresentou como Filho, o Filho tomou uma outra personalidade, isto é, de Pai que, por sua vez, personalizou no Espírito Santo. Mas a devida referência apontada em nosso hinário novo, diz "TRÊS TESTEMUNHAS NO CÉU", e não "uma Testemunha"!

    Reflita isto: Quando o Filho deixou de ser Filho para ser "Pai", a personalidade do Filho deixou de existir ao ocupar a personalidade do Pai; assim enquanto estava nesta personalidade inexistia a do Filho e a do Espírito Santo, existindo apenas uma em dado momento. Quando deixou a personalidade do Pai para assumir uma outra, a do Espírito Santo, deixou de existir as personalidades do Filho e do Pai para assumir a do Espírito Santo.

    Sendo assim, há apenas uma pessoa em Deus que se manifesta em dado momento conforme a necessidade, esta é a definição dada por Sabélio.

    Portanto, à luz de I João 5.7, referenciada em nosso novo hinário, no Céu há TRÊS TESTEMUNHAS, e estas testemunhas se referem às "Pessoas", O Filho está ao lado do Pai, isto não fornece apoio para ele se transformar em uma pessoa que está do próprio lado, à direita, razão de os unitaristas rejeitarem este verso que é genuinamente Trinitário! No Céu, caso Gabriel desejar falar com o Pai, terá de esperar Ele se sair da manifestação do Filho para assumir uma outra, afinal, a conversa é com o Pai e não com o Filho.

    Creio que demonstrei o disparate em querer negar a doutrina Trinitária presente em nosso novo hinário.

    Deus o abençoe.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem mais, irmão, eruditos tal como Louis Berkhof, afirma sem nenhum sofisma que a devida referência de I João 5.7, é TRINTÁRIO, veja o que ele diz em sua Teologia sistemática:

      “A única passagem que fala de trindade é 1Jo 5.7, mas sua genuinidade é duvidosa, razão pela qual foi eliminada das mais recentes edições críticas do Novo Testamento.” (Berkhof, Louis. Princípios de Interpretação Bíblica, pág. 83, 3ª Edição, 2008. São Paulo, Brasil. Editora Cultura Cristã).

      Mas a devida referência está presente em todos os credos que crêem na Trindade, menos entre os unitaristas. Como se pode observar, basta o nosso ponto doutrinário estar amparado em I João 5.7 para nosso credo doutrinário ser facilmente reconhecido como TRINITÁRIO,conforme bem frisou Louis Berkhof, o que vem a denotar falta de conhecimento por parte de quem pensa de forma contrária. Contra fato, não há argumento.

      Entretanto, também sou partidário de que para evitar murmuração, não deveriam retirar o termo “três pessoas distintas”, embora “I João 5.7” transmita claramente esta doutrina. Destarte, quem possui os olhos embaçados não conseguirá compreender isto com facilidade, o que já está comprovado pelo teor dos nossos críticos.

      Excluir
  10. Errata: A Bibliografia de Louis Berkhof, apontada logo acima, não se refere ao livro de Hermenêutica "Princípios de Interpretação Bíblica", mas a seu livro intitulado "TEOLOGIA SISTEMÁTICA, pág. 83).

    Deus abençoe.

    ResponderExcluir
  11. Caro Irmão Romário,

    Admiro sua sabedoria e zelo da Palavra. Destarte, sinto-o, um tanto quanto prolixo. O que, eventualmente, pode ser confundido como presunçoso. é apenas uma visão distante, pois mau conheço-o.
    Não me tenha por crítico, deveras falo como amigo.

    Com amor,
    De seu irmão em Cristo,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amado irmão Szmyhiel,

      As vezes minha forma de ser pode ser mal interpretada, minha forma de pensar e expressar. A forma de eu manifestar meu pensamento na escrita, como disse, quem está do outro lado e segundo o grau de entendimento de cada um, pode ser interpretada das mais variadas formas. Sendo assim, muitos podem pensar positivamente enquanto outros, negativamente.

      Aprecio sua sinceridade.

      Deus o abençoe pelo comentário, um abraço fraternal.
      De seu irmão em Cristo Jesus.

      Excluir
  12. Eu também achei confuso.

    Como o irmão Daniel não fala em nome da CCB, não podemos saber se quem fez essa alteração pensou exatamente da mesma forma que ele, e que essa seja realmente a explicação. Tudo isso é baseado em sua própria análise.

    O que acho estranho, é que os pontos de doutrina do jeito que estavam no hinário 4, estavam claros como água cristalina, não deixando margem para dúvida. Até mesmo os opositores da CCB elogiavam os nossos pontos de doutrina.

    Agora essas mudanças sutis (feitas sem comunicação alguma para irmandade) que geraram muitas dúvidas (até mesmo no ministério da CCB) e com explicações tão complexas (como as do irmão Romário)que envolvem estudos bíblicos aprofundados utilizando o idioma original da bíblia, em uma denominação que tem um ensinamento recomendando seus membros a não estudar a bíblia ou ler livros sobre a mesma, pois tudo o que precisamos é revelado na palavra nos cultos, é no mínimo curioso.

    Fica aqui algumas perguntas:

    Sabemos através de ensinamentos que nossos ministros são avessos ao estudo bíblico sistemático e à teologia em geral. Como então tiveram a idéia de fazer essa modificação? Foi revelação ou um estudo como esse daqui no blog?

    E se por acaso, o ministério da CCB, resolver prestar esclarecimentos à irmandade (sei que é muito difícil de acontecer), e a explicação para essas modificações for diferente dessa presente no blog? O irmão vai refazer o estudo para estar de acordo com a nova explicação do Brás?

    Deus abençoe!

    ResponderExcluir
  13. Não, irmão, meu trabalho não visa concordar com os devidos esclarecimento do Brás, mas ao que encontra devidamente escrito no artigo. Uma pessoa pode ter em mente algo, mas a escrita pode não corresponder com o que tinha em mente. Eu já disse uma vez, e repito:

    Mesmo se o Brás manifestar uma opinião que entre em conflito com o que ESTÁ ESCRITO em nossos Doze pontos de fé e Doutrina, eu fico com a nossa doutrina! Eles até podem falar contrariamente ao que está devidamente Registrado e já distribuído ao povo, o que tem poder legal é o que encontra-se devidamente registrado em nome da Congregação. O que contrariar isso, deve ser posto de lado.

    Se há irmãos do ministério visitando este blog, que me perdoe o que vou dizer, mas já refutei irmãos do ministério dentro dos nossos pontos de doutrina que, graças a Deus, me deram ouvidos, ou melhor, deram ouvidos ao que está escrito em nossos artigos de fé!

    Ninguém está acima da Doutrina, mas debaixo dela, devemos nos submeter à Palavra, afinal, "dura coisa é recalcitrar contra o aguilhão"!

    Devemos falar a verdade e sem olhar a quem, doa em quem doer...

    Deus o abençoe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Explicando melhor, quando eu digo:

      "Não, irmão, meu trabalho não visa concordar com os devidos esclarecimento do Brás, mas ao que encontra devidamente escrito no artigo."

      Com isto, quero dizer que meu trabalho não visa concordar com o Brás, CASO ELES DISCORDEM COM O QUE ESTÁ ESCRITO!

      Se eu procurasse agradar a homens, não seria servo de Cristo.

      Creio ter ficado entendido.

      Deus o abençoe.

      Excluir
  14. Segundo meu entendimento.....

    -YHWH é o D'us Eterno
    -Jesus é o filho (sobre o qual repousa os Sete Espíritos do Altíssimo,.... mas não é Deus)
    -Espirito Santo é ó próprio Deus YHWH manifesto por seus Sete Espíritos



    EXPLICANDO MELHOR


    Os Sete Espíritos de Deus



    Em D'us YHWH revelado.....



    Apocalipse 1:4 João, às sete igrejas que estão na Ásia: Graça e paz seja convosco da parte daquele que é, e que era, e que há de vir, e da dos sete espíritos que estão diante do seu trono;

    Apocalipse 3.1 Ao anjo da igreja em Sardes escreve: Estas coisas diz aquele que tem os sete Espíritos de Deus e as sete estrelas: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives e estás morto."

    Apocalipse 4:5 E do trono saíam relâmpagos, e trovões, e vozes; e diante do trono ardiam sete lâmpadas de fogo, as quais são os sete espíritos de Deus.

    _________________X________________X___________________X



    Repousa sobre Jesus......



    Apocalipse 5:5-6 5-E disse-me um dos anciãos: Não chores; eis aqui o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos. 6- E olhei, e eis que estava no meio do trono e dos quatro animais viventes e entre os anciãos um Cordeiro, como havendo sido morto, e tinha sete chifres e sete olhos, que são os sete espíritos de Deus enviados a toda a terra.



    Isaías 11:1-2 1-Porque brotará um rebento do tronco de Jessé, e das suas raízes um renovo frutificará. 2-E repousará sobre ele o Espírito do SENHOR, o espírito de sabedoria e de entendimento, o espírito de conselho e de fortaleza, o espírito de conhecimento e de temor do SENHOR.

    1- Espírito do SENHOR

    2- Espírito de sabedoria

    3- Espírito de entendimento

    4- Espírito de conselho

    5- Espírito de fortaleza

    6- Espírito de conhecimento

    7- Espírito de temor do SENHOR



    Zacarias 3:9 Porque eis aqui a pedra que pus diante de Josué; sobre esta pedra única estão sete olhos; eis que eu esculpirei a sua escultura, diz o SENHOR dos Exércitos, e tirarei a iniqüidade desta terra num só dia.



    _________________X________________X___________________X



    Revelado pelo Espitito Santo......



    Pelo Prórpio Deus YHWH (Nos patriarcas, no Sinai, na tenda da congregação e no templo)

    Na pessoa de Jesus (Mantende em vós esta atitude mental que houve também em Cristo Jesus, o qual, embora existisse em forma de Deus, não deu consideração a uma usurpação, a saber, que devesse ser igual a Deus Filipenses 2:6) [tradução Novo Mundo]



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado ansadriano;

      O Espírito Santo (Mateus 12.32) é chamado singularmente de Espírito de Deus (Gênesis 1.2; Jó 33.4) O Espírito (II Coríntios 3.17) Parákletos/Consolador (João 14.16) Espírito do Senhor (Atos 5.9) e Espírito de Cristo (Romanos 8.9).

      Na Congregação não comungamos que haja “sete” Espíritos Santos, mas apenas um (Efésios 4.4; I Coríntios 12.13).

      Deve-se tomar cuidado com a maioria dos textos do livro de apocalipse que não podem ser entendidas na forma literal, mas simbólica. O Senhor Jesus diz que tem os “sete espíritos” de Deus, veja que “espírito” é traduzido em sua forma minúscula:

      “E ao anjo da igreja que está em Sardes escreve: Isto diz aquele que tem os sete espíritos de Deus, e as sete estrelas: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives, e estás morto.” (apocalipse 3.1).

      O número “sete” indica a plenitude do Filho de Deus.
      Um exemplo que mostra a diferença entre “Espírito” e “espírito”:

      “E repousará sobre ele o Espírito do Senhor, o espírito de sabedoria e de entendimento, o espírito de conselho e de fortaleza, o espírito de conhecimento e de temor do Senhor.” (Isaias 11.2).

      Acerca de Deus, João disse que Ele - Jesus – é o Deus Criador descrito “no princípio” (João 1.1; Gênesis 1.1), em razão disto Ele é “adorado” até mesmo pelos anjos (Hebreus 1.6). Em Hebreus 1.6, a Tradução Novo Mundo com Referências diz em nota de rodapé diz que Jesus é ADORADO pelos anjos. Nenhuma criatura deve ser adorada, seria idolatria, como Jesus não é criatura mas Deus Criador, é adorado. Quando o incrédulo se torna crente, reconhece-o como “O Senhor meu” e “O Deus meu” (João 20.28,29).

      O Filho estando na terra, disse que o Pai enviaria OUTRO Consolador; assim, Jesus declarou a distinção que há entre a pessoa do Pai com a do Espírito Santo, afinal de contas, uma pessoa (o Pai) envia OUTRA, e não a si mesmo:

      “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre”. (João 14.16).
      Este verso acima é Trinitário: Eu (Jesus), Ele (o Pai) e outro (Consolador/Espírito Santo).

      Nós cremos que o Pai é Deus (II Timóteo 1.2) o Filho é Deus (João 20.28) e o Espírito Santo é Deus (Atos 5.3,4).

      Inicialmente, a Divindade de Jesus já foi negada pelos hereges “ebionitas, alogi (álogos), monarquistas e arianos; já o heresiarca Sabélio defendia que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são três manifestações de uma mesma pessoa. Assim, o nobre interlocutor apenas misturou todas estas crenças em uma só; como os ebionitas, alogi, monarquistas e arianos – está negando a divindade de Jesus e ao mesmo tempo, como Sabélio , afirma que o Pai e o Espírito Santo são a mesma pessoa. Seus argumentos são 50% ariano e Cia + 50% sabeliano.

      Informo ao ilustre interlocutor que este blog foi criado para auxiliar os membros da Congregação ACERCA DA NOSSA FÉ E DOUTRINA, não desejo misturar os artigos que tenho elaborado com as várias e “diferentes” (Gr. heteros) formas de doutrinas e/ou ideologias que NÃO PROFESSAMOS; espero que compreenda.

      Deus o abençoe.

      Excluir
    2. A Paz de Deus Irmão !!
      Expressei que "ERA SEGUNDO MEU ENTENDIMENTO", e não que isso seria uma verdade absoluta!
      Posso estar totalmente errado...ou pode ter algo certo...

      Tentamos explicar a TRINDADE com conhecimento e com a nossa mente esquecendo-se que em nosso mundo material temos as leis físicas para colocar o efeito "X" numa equação sem solução.

      Espiritualmente Deus pode ser:
      -Um, Dois, Três, Quatro, Cinco,.....Mil...Dez Mil...Cem Bilhões de pessoas.
      Falar com todos os anjos no céu, com todos humanos na terra, e com todos abaixo na terra.
      Simplesmente por não estar condicionado ao tempo-espaço.
      Deus abençoe o irmão!

      Excluir
    3. Amém, meu querido.

      Tudo bem, que seja uma opinião que era segundo "o seu entendimento"; já meus escritos expressão segundo consta em nossa Doutrina, a Doutrina da Trindade. Quanto em o nosso Deus poder ser 'quatro, cinco, ...mil... dez mil... Cem Bílhões de pessoas'(?); creio eu que até mesmo Sabélio e Cia chamaria tal ideia de herética.

      Deus o abençoe.

      Excluir
    4. Errata: Expressam em lugar de expressão.

      Excluir
    5. A Paz de Deus !

      Nossa doutrina (CCB) fala em nossa crença de três pessoas distintas, jamais usando o termo ou expressão "TRINDADE"....expressão essa que surgio no concílio de nicéia e significa textualmente três deuses em um.

      Creio que a CCB jamais usaria um termo criado pelo catolicismo pagão por que a tornaria filha dessa meretriz.
      Isso sim seria uma heresia.
      Em nenhum ponto de doutrina CCB encontrei a expressão TRINDADE.

      Se eu não compreendi as colocações do irmão, por favor me perdoe....pois não estou aqui para discutir, e ainda mais com um irmão da minha mesma fé, e estou aqui é para escutar do irmão tudo o que for bom e da parte de Deus!

      Deus te abençoe muito irmão

      Excluir
    6. O primeiro a usar o termo "Trinitas" para Trindade, foi Tertuliano, que viveu cerca de 160 a 220 d.C. O Concílio de Nicéia se deu em tempos posteriores a Tertuliano, quase 100 anos depois dele, em 325 d.C.

      Não cremos em 'três deuses"(?), isso seria "triteísmo", nós cremos em "um só Deus" que é monoteísmo, coexistintido em três pessoas distintas, e NÃO em três naturezas divinas..

      Creio que está explicado. Três pessoas, mas uma e a mesma natureza Divina, e não três naturezas.

      Deus o abençoe, meu querido.

      Excluir
    7. Irmão ansadriano, querido...

      O homem que me trouxe ao mundo é meu "padre" (pai). Os primeiros líderes da igreja pós-apostólicos são chamados de "pais" da igreja. Portanto, Tertuliano foi um bispo no norte da África. Nos dias de Tertuliano não existia Igreja Católica Apostólica Romana e tampouco "sumo-pontífice". Portanto, sendo Tertuliano um dos chamados "pais" (padres) da igreja, não se concebe que o termo seja compreendido dentro do mesmo conceito atual que se aplica aos padres da ICAR.

      Uma palavra aplicada há 1.800 anos atrás aos primeiros líderes cristãos, não reflete o mesmo conceito aplicável aos padres da ICAR de hoje. Tertuliano era bispo, mas, é reconhecido como um dos primeiros "pais" da igreja. Paulo disse que admoestava a igreja como a "filhos" amados, então, ele estava se posicionando como um "pai" (padre) que admoesta e ensina os seus filhos.

      Não se pode confundir uma coisa com outra.

      Deus o abençoe.

      Excluir
    8. Complementando, Tertuliano possuia o ofício de "Bispo", e não de padre. O termo português "pai" possui seu equivalente em Latim "padre". Na época de Tertuliano o termo "padre" não designava um "ofício" eclesiástico, mas simplesmente um termo carinhoso e respeitoso. Com o passar do tempo, e muito tempo; o termo começou a ganhar o sentido tal qual o conhecemos - em particular - dentro da ICAR.

      Deus o abençoe.

      Excluir
  15. Sem contar que a devida tradução foi elaborada para apoiar as doutrinas das Testemunhas de Jeová, haja visto as várias palavras entre colchetes presentes na traduções atuais, que não existiam nas primeiras de 1963/1967. Em I João 5.20 - Tradução Novo Mundo - a expressão "em união com" não consta nos originais Gregos, tampouco está entre colchetes para lembrar seus incautos leitores que tal expressão não faz parte dos Escritos Sagrados. Mas está ali na Tradução Novo Mundo cumprindo seu objetivo, o de mudar o sentido real do texto e 'apoiar' o que eles ensinam, que Jesus não é o Deus verdadeiro.

    “Mas, sabemos que o Filho de Deus veio e nos deu capacidade intelectual para podermos obter conhecimento do verdadeiro. E nós estamos em união com o verdadeiro, por meio do seu Filho Jesus Cristo. Esse é o verdadeiro Deus e a vida eterna”. (I João 5.20 - Tradução Novo Mundo).

    Nota-se que nem "união com" e tampouco "por meio de" constam nos originais Grego. Mesmo assim, tendo sido ACRESCENTADO por eles nem ao menos colocaram os colchetes nessas duas expressões para lembrar seus leitores que os mesmos inexiste. Trocaram ainda o termo "este" por "esse". Assim, como ficaria o sentido do texto na Bíblia deles, retirando os devidos acréscimos?

    Vejamos:

    “Mas, sabemos que o Filho de Deus veio e nos deu capacidade intelectual para podermos obter conhecimento do verdadeiro. E nós estamos em o verdadeiro, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna."

    Não desejo expor as doutrinas jeovistas, uma vez que este espaço diz respeito unicamente da nossa doutrina.

    Peço, portanto, sua colaboração nesta parte.

    Deus o abençoe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SR. Daniel, estive lendo o seus comentários e até o final não me surpreendi com a sua falta de conhecimento da PALAVRA DE DEUS, pois estou visitando vários sites pesquisando sobre as mudanças do Ponto Doutrinario da CCB e percebo que vcs querem alegar é que não houve mudança e até conseguem enrolar os seus irmãos, pois como se é sabido entre todos o povo da CCB NÂO LE A BIBLIA,ESTUDAR ENTÃO NEM SE FALE ja tive varias palestras com pessoas da CCB e me confidenciaram que o universo interno da igreja é bem diferente da realidade que se pratica e tentam mostrar a outros, mas fiquei abismado de vc questionar a TRADUÇÃO DO NOVO MUNDO,tenho varias versões da JFA e costumo usa-las muito para mostrar como se contradizem,(VEJA O VIDEO NO YOUTUBE TRADUÇÃO DO NOVO MUNDO ERUDITA E CONFIÁVEL)mas meu questionamento em particular seria o porque se usa o texto de 1 João 5:7, Al “Três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um.... PESQUISE É UM TEXTO EXPÚRIO e vcs usam como se fosse inspirado no hinário, se usam um texto desse como base para a DOUTRINA DA CCB e niguem percebeu nos mais de 100 anos dessa igreja, imagine se alguem vai ligar pra mudança na frase "HÁ TRES PESSOAS DISTINTAS" no ponto 2 para ESTÃO, todos que questionei nem sabiam quais eram os 12 pontos no hinario antigo e muito menos foram alertados sobre o novo a não ser que deveriam comprar o hinário que havia sido atualizado e com novos canticos.
      NÃO DESEJO EXPOR AS DOUTRINAS CCBISTAS,UMA VEZ QUE ESSE ESPAÇO DIZ RESPEITO HÁ QUEM NÃO TEM MUITO CONHECIMENTO BIBLICO, MAS GOSTARIA QUE VC FOSSE MAIS SINCERO E HUMILDE E PRIMEIRO TENTASSE ACERTAR A BAGUNÇA NA SUA DENOMINAÇÃO DEPOIS FALASSE SOBRE ASSUNTOS ESPIRITUAIS QUE NÃO SÃO INCENTIVADOS A APRENDER,AFINAL COMO DIZEM NA CCB "A BIBLIA É LETRA MORTA".

      Excluir
    2. Prezado Marcos...

      Pelos argumentos levantados pela sua pessoa deixou claro ser um membro das “Testemunhas de Jeová”. Pois, é! Em minha vida e caminhada cristã vivo em um constante aprendizado e desconheço quem seja “formado” em Bíblia; afinal, sendo eu aluno sempre estou aprendendo do único Mestre – meu Senhor e Salvador Jesus Cristo. Em razão disto, não é de se estranhar o verso Bíblico que diz:

      “E, se alguém cuida saber alguma coisa, ainda não sabe como convém saber.” (1 Coríntios 8.2).

      Sendo assim, sempre procuro seguir avante, afinal temos diante de nós uma fonte inesgotável - a Palavra de Deus - sendo Ela incomparável e dispensando qualquer outro recurso paralelo ADICIONAL como revistas “Despertai” e “Sentinela” para alcançar o conhecimento que vem de Deus para a salvação. Quanto às supostas palestras com alguns membros da CCB, estas não são autorizadas pelo ministério para falar em nome da Igreja, nem eu mesmo falo em nome dela. Caso o amado não tenha saído satisfeito com suas respostas, me ponho à sua disposição para um diálogo. Também já tive inúmeras palestras com membros das Testemunhas de Jeová, sendo dois deles “anciãos”. Com um desses anciãos, minha palestra foi na casa dele próprio cujo diálogo demorou umas três horas... O ancião e o filho dele dialogando comigo acerca das Escrituras, gostei muito! Levei meu texto Grego e Hebraico, pena que o mesmo não sabia ler nenhum dos respectivos textos para conferir a TNM com as mesmas.

      Quanto a devida passagem de 1João 5:7, já é explicado em minha matéria acima (confira), e a mesma nada mais é do que uma referência Trinitária do devido artigo de fé. Quanto ao seu “estudo”, como uma TJ (Testemunha de Jeová) deveria saber que sua Bíblia (Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas Com Referências) diz que Jesus deve ser ADORADO, o que entra em CONTRADIÇÃO com seu estudo. Veja a devida referência Bíblica e o esclarecimento em NOTA DE RODAPÉ da referida TNM:

      “Mas, ao trazer novamente o seu primogênito à terra habitada, ele diz: “E todos os anjos de Deus lhe prestem homenagem”*. (Hebreus 1.6. Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas Com Referências, pág. 1378. Associação Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, Cesário Lange, SP, Brasil).

      Nota de rodapé da Bíblia supracitada: He 1:6* Ou “o adorem”.

      O que mencionei da Tradução do Novo Mundo Com Referências é verdadeiro, e o amado deveria dizer: - AMÉM, sem se aborrecer deduzindo que eu disse sem conhecimento da causa.

      Excluir
    3. Bem, não vou entrar em questões de suas publicações (antigas e atuais), pois este tópico não diz respeito a esse tema. Meu comentário da TNM que mencionou apenas foi uma resposta a algo dito anteriormente. Se for do seu interesse, poderei abrir um tópico sobre assuntos ligados às publicações antigas e atuais das Testemunhas de Jeová.
      Tenho em mãos alguns materiais disponíveis com fontes bibliográficas suas. Para finalizar, veja o que consta em vossa publicação sobre o FONETICAMENTE equivocado nome “Jeová”:

      “A própria freqüência com que ocorre tal nome atesta a sua importância para o autor da Bíblia, sendo este o nome dele.” (Ajuda ao Entendimento da Bíblia – 3º Volume, pág. 847. Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados, Edição Brasileira, Cesário Lange, SP, Brasil).

      Ora, em vossa própria Bíblia (TNM) o nome “Jeová” ocorre 237 vezes no Novo Testamento, ao passo que o nome “Jesus” atesta a sua importância pela “própria freqüência com que ocorre” nada menos que 848 vezes; isto é, o nome “Jesus” é citado 611 a mais que “Jeová” na TNM. Sendo assim, pela vossa afirmação sobre freqüência, vocês dão mais importância ao nome “Jesus”?

      Na Tradução Novo Mundo não aparece o nome “Jeová” nos respectivos livros do N. Testamento:

      “Filipenses; 1 Timóteo; Tito; Filemom; 1 João; 2 João; e 3 João”. Pela freqüência nula em tais livros, parece que o nome “Jeová” não tinha importância alguma; ao passo que o nome “Jesus” é mencionado 59 vezes.

      Bem, minha pergunta é: Você aprova eu abrir um tópico de estudo sobre o assunto Testemunhas de Jeová?

      Ps.: Não existe em nosso meio a expressão 'a "Biblia" é letra morta'(?), sendo uma mentira contra nós (deveria citar a fonte oficial da CCB para validar sua citação verborrágica); apenas muitos dizem "a letra mata" referindo-se do saber humano em conflito com a Palavra de Deus.

      Adoremos a Jesus.

      Excluir
    4. Foi dito por você:

      "NÃO DESEJO EXPOR AS DOUTRINAS CCBISTAS,UMA VEZ QUE ESSE ESPAÇO DIZ RESPEITO HÁ QUEM NÃO TEM MUITO CONHECIMENTO BIBLICO, MAS GOSTARIA QUE VC FOSSE MAIS SINCERO E HUMILDE E PRIMEIRO TENTASSE ACERTAR A BAGUNÇA NA SUA DENOMINAÇÃO".

      Pois, é! Ao tomar parte ocupando este referido espaço, o nobre interlocutor parece "NÃO TER MUITO CONHECIMENTO BÍBLICO". Inicialmente, deu a entender com tal expressão que está "arrotando" conhecimento.

      Perdoa-me a sinceridade, mas eu entendo por "BAGUNÇA" (confusão, contradição)as várias afirmativas no decorrer da história as devidas determinações de datas e períodos fixos que já passaram, sobre batalhas do Armagedom que nunca ocorreram. Milhões que viveram (Milhões que Agora Vivem Jamais Morrerão)em determinado em espaço de tempo que não morreriam (será que existe algum vivo quando isso foi profetizado), etc., etc. Creio que o ilustre debatedor deve estar a par de tudo isso e muito mais. A CCB nunca ensinou sobre datas estereotipadas em que o Armagedom ocorreria ou deixaria de ocorrer. Aliás, sabia que Jesus nunca mencionou o nome "Jeová"? Nem os cristãos primitivos e muito menos os judeus! Essa pronúncia foi proferia foneticamente PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA por um monge CATÓLICO ROMANO, e isso no século 13 dC. Sabe o nome do criador dessa pronúncia? Raymundo Martyni, ele é o autor dessa pronúncia equivocada, pois a pronúncia "Jeová" não faz sentido algum em Hebraico quando pronuncia-se sinais Massoréticos com as consoantes do Tetragrama.

      Bem... Páro por aqui, pois o tópico não diz respeito a esse assunto. Se preferir, posso abrir um tópico referente a vários assuntos concernentes ao vossos ensinos e doutrinas.

      Adoremos a Jesus

      Excluir
  16. A Paz de Deus
    O que vc acha da doutrina que ensina de na unidade de Deus existe duas pessoas distintas?

    Fonte: http://www.revistaboanova.org/literatura/livretos/PDT.pdf
    Att
    Lucas

    ResponderExcluir