domingo, 15 de setembro de 2013

SUCO DE UVA OU VINHO?


Antes de qualquer “pedrada” em minha direção, informo que não faço uso de vinho ou qualquer outra bebida embriagante em minha mesa ou mesmo fora dela. Este estudo visa apenas explicar biblicamente sobre o uso ou desuso dessas bebidas entre judeus e cristãos. Esta matéria apresenta os devidos textos e seus significados em seu contexto, sem nenhuma maquiagem ou malabarismo teológico. As devidas referências bibliográficas estarão de vermelho.

NO ANTIGO TESTAMENTO

O vocábulo hebraico “yayin” corresponde à palavra portuguesa “vinho” e sua primeira ocorrência está em Gênesis:

E começou Noé a ser lavrador da terra, e plantou uma vinha. E bebeu Noé do vinho (hebr. yayin), e embebedou-se; e descobriu-se no meio de sua tenda.” (Gênesis 9.20, 21). – O negrito é meu.

Vejamos os mesmos textos em hebraico, transliterado:

vayachel Noach ‘îsh ho’adamah vaytta’ karem: vayeshtte min-hayayin vayishkar vayitgal betokh ‘aholoh”. (Bereshît/Gênesis 9.20, 21). – O negrito é meu.

O termo yayin é palavra habitual para uva fermentada:

Esta é a palavra hebraica habitual para se referir à uva fermentada. É, em geral, traduzida por “vinho”. Tal “vinho” era bebido comumente como refresco: E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho” (Gn 14.18; cf. Gn 27.25).” (Vine, W. E.; F. Unger, Merril; White Jr., William. Dicionário Vine – O Significado Exegético e Expositivo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento, pág. 325, 2ª Edição/2003. Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil). – O negrito é meu.

Fica claro, pois, que o vinho ou uva fermentada era bebido como “refresco”, foi esse o tipo de vinho que Melquisedeque – tipo de Cristo – trouxe para Abraão quando este veio da batalha, vinho fermentado.

O “vinho” era usado para dar alegria, para fazer a pessoa se sentir bem sem ficar intoxicada (2 Sm 13.28). Segundo, o “vinho” era usado na alegria perante o Senhor. Uma vez por ano todo o Israel tinha de se reunir em Jerusalém. O dinheiro percebido (sic) pela venda do dízimo de toda a colheita seria gasto “por tudo o que deseja a tua alma, por vacas, e por ovelhas, e por vinho, e por bebida forte, e por tudo o que te pedir a tua alma; come-o ali perante o SENHOR, teu Deus, e alegra-te, tu e a tua casa” (Dt 14.26). (...) O termo yayin descreve claramente uma bebida intoxicante” (Vine, W. E.; F. Unger, Merril; White Jr., William. Dicionário Vine – O Significado Exegético e Expositivo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento, pág. 326, 2ª Edição/2003. Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil). – O negrito é meu.

Acima em negrito, a palavra “vinho” corresponde a yayin, ao passo que “bebida forte” é termo português para a palavra hebraica shekhar – “evidentemente um tipo de cerveja segundo o Léxico Hebraico e Aramaico do Antigo Testamento de William L. Holladay

Algumas pessoas eram proibidas de beber vinho:

As pessoas, em estado especial de santidade, eram proibidas de beber “vinho”, como os nazireus (Nm 6.3), a mãe de Sansão (Jz 13.4) e os sacerdotes que se aproximavam de Deus (Lv 10.9).” (Vine, W. E.; F. Unger, Merril; White Jr., William. Dicionário Vine – O Significado Exegético e Expositivo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento, pág. 326, 2ª Edição/2003. Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil).

Antes de abençoar Jacó, Isaque bebeu vinho:

Então disse: Faze chegar isso perto de mim, para que coma da caça de meu filho; para que a minha alma te abençoe. E chegou-lhe, e comeu; trouxe-lhe também vinho (hebr. yayin), e bebeu.” (Gênesis 27.25). – O negrito é meu.

O suco que é espremido da uva - não fermentada - é termo distinto de yayin (vinho), cujo vocábulo hebraico é tîrosh:

Assim, pois, te dê Deus do orvalho dos céus, e das gorduras da terra, e abundância de trigo e de mosto (hebr. tîrosh).” (Gênesis 27.28). – O negrito é meu.

Fica evidente a diferenciação entre yayin e tîrosh:

A palavra tîros é distinta de yayin no que se refere apenas ao vinho novo não completamente fermentado (mosto).” (Vine, W. E.; F. Unger, Merril; White Jr., William. Dicionário Vine – O Significado Exegético e Expositivo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento, pág. 326, 2ª Edição/2003. Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil). – O negrito é meu.

Embora “tîrosh” (mosto, vinho novo) é dito que não seja vinho completamente fermentado, tal ideia não ocorre em Oséias 4.11 que é claramente uma bebida embriagante:

A fornicação, e o vinho (hebr. yayin), e o mosto (hebr. tîrosh) tiram o entendimento”. (Oséias 4.11 – Bíblia Sagrada Tradução Brasileira). – O negrito é meu.

O que o texto está dizendo é que os três fazem perder o sentido, trazendo descontrole. O equivalente do hebraico tîrosh, na versão grega Septuaginta é “methysma” (bebida embriagante), vocábulo derivado de “méthê” (embriaguês, bebedeira), falta de moderação. Entretanto, algo digno de nota também é dito acerca do vinho:

O vocábulo hebraico yayin é etimologicamente igual ao grego oinos e ao latino vinus. Hamar é nome aramaico, e hemer é etimologicamente equivalente a ele empregado na poesia hebraica. A palavra hebraica yayin aparece na Escritura pela primeira vez, referindo-se ao suco fermentado da uva, Gn 9.21; não há motivos para crer que tenha outro significado nos lugares em que se encontra. O grego oinos também se refere a suco fermentado, salvo quando é acompanhado do adjetivo novo; mesmo assim, não se pode dizer que haja dois vinhos, um fermentado e outro não. O mosto chama-se vinho novo, e só se torna vinho por meio da fermentação. Dizem que pelo fato de ser proibido o fermento durante os sete dias da festa pascal, o vinho usado nessa solenidade não devia ser fermentado. O argumento não procede. A fermentação vinosa nunca se chamou fermento. Durante a páscoa, os judeus não deviam beber líquidos fermentados, nem mesmo provar o pão com fermento (Mishna, Pesachoth, 2).” (D. Davis, John – Dicionário da Bíblia, págs. 618, 619. 12ª Edição, Confederação Evangélica do Brasil, JUERP).

Nota-se ainda, que é conveniente falar do vinho misturado:

O vinho com mistura era designado pelas expressões mesek, Sl 75. 8; mimsak, Pv 23. 30; Is 55. 11 (sic), e mezeg, Ct 7. 2, cada uma das quais designava vinho misturado com certas especiarias que lhe davam gosto agradável, Ct 8. 2; Plínio, Hist. Nat. 14. 19, 5, ou com água para enfraquecêlo (sic), Heród. 6. 84.” (D. Davis, John – Dicionário da Bíblia, pág. 619. 12ª Edição, Confederação Evangélica do Brasil, JUERP).

O termo mesek denota “mistura de tempero (para uma bebida)” em Sl 75.8; mimsak denota “recipiente de misturar” em Isaias 65.11; mezeg, em Ct 7.2 denota “vinho misturado”, provavelmente “vinho temperado, quente”; algo que é reprovado em provérbios e outras partes das Escrituras:

Para quem são os ais? Para quem os pesares? Para quem as pelejas? Para quem as queixas? Para quem as feridas sem causa? E para quem os olhos vermelhos? Para os que se demoram perto do vinho, para os que andam buscando vinho misturado (mimsak).” (Provérbios 23.29, 30). - O negrito é meu.

NO NOVO TESTAMENTO

Nas Escrituras Gregas Cristãs o vocábulo vinho (gr. oinos) ocorre 34 vezes, sua primeira ocorrência está registrada em Mateus:

Nem se deita vinho novo (gr. oinon neon) em odres velhos; aliás rompem-se os odres, e entorna-se o vinho (gr. oinos), e os odres estragam-se; mas deita-se vinho novo (gr. oinon neon) em odres novos, e assim, ambos se conservam.” (Mateus 9.17). - O negrito é meu.

A indicação do vinho (Gr. oinos) não fermentado (como no caso acima), é indicada nas Escrituras quando acompanhado do adjetivo “novo” (Gr. neós):

“O grego oinos também se refere a suco fermentado, salvo quando é acompanhado do adjetivo novo; mesmo assim, não se pode dizer que haja dois vinhos, um fermentado e outro não. O mosto chama-se vinho novo, e só se torna vinho por meio da fermentação.” (D. Davis, John – Dicionário da Bíblia, págs. 618, 619. 12ª Edição, Confederação Evangélica do Brasil, JUERP).

A expressão acima “vinho novo” é traduzido no Novo Testamento Hebraico por yayin chadash (vinho novo) e não por “tîrosh” que é seu equivalente no Antigo Testamento. Sabe-se que João Batista não bebia vinho (hebr. yayin) fermentado e nem bebida forte:

Porque será grande diante do Senhor, e não beberá vinho (gr. oinos), nem bebida forte, e será cheio do Espírito Santo. Já desde o ventre de sua mãe.” (Lucas 1.15). - O negrito é meu.

O que não era bebido por João Batista, era bebido por Jesus:

Porquanto veio João, não comendo nem bebendo, e dizem: Tem demônio. Veio o filho do homem comendo e bebendo, e dizem: Eis aí um homem comilão e beberrão, amigo dos publicanos e pecadores. Mas a sabedoria é justificada pelos seus filhos.” (Mateus 11.18, 19).

Quanto às comidas e bebidas, Jesus era o inverso de João Batista. Porém regia com moderação e não de maneira imoderada; resultado que não se embriagava comportamento este justificada pela sabedoria. Tanto as acusações dos líderes religiosos contra João de que tinha “demônio”, como as proferidas contra Jesus de que era “beberrão” (ébrio), não passavam de calúnias.Uma passagem Bíblica completamente torcida por teólogos é o das bodas em Caná (João 2. 1,11). Dizem eles que o vinho servido não era fermentado, procurando torcer a Palavra de Deus por suas preferências religiosas. O vocábulo vinho (gr. oinos; hebr. yayin) não é acompanhado do adjetivo “novo” para indicar o contrário, vejamos:

E, logo que o mestre-sala provou a água feita vinho (Gr. oinos) (não sabendo de onde viera, se bem que o sabiam os serventes que tinham tirado água), chamou o mestre-sala ao esposo, e disse-lhe: Todo o homem põe primeiro o vinho (gr. oinos) bom e, quando já têm bebido bem (gr. methysthõsin = estiverem bêbados), então o inferior; mas tu guardaste até agora o bom vinho.(Gr. oinos = vinho fermentado). (João 2.9, 10). – O negrito e sublinhado são meus.

O texto não se refere a vinho novo ou suco, pois o vinho bom, o melhor, sempre foi considerado o velho, Jesus mesmo o considera como melhor:

E ninguém tendo bebido o velho quer logo o novo, porque diz: Melhor (gr. chrêstos = bom) é o velho”. (Lucas 5.39). - O negrito é meu.

Portanto, Jesus transformou a água no melhor vinho (velho) outrora oferecido pelo esposo dono da festa. A expressão dita pelo mestre-sala “bebido bem,” no texto Grego Original é “methysthõsin,” significando “estiverem embriagados”, não se tratando do inofensivo suco; e não foi em simples “suco” (?) que a água foi transformada, o que contraria o texto que é taxativo em apontar bebida alcoólica que "embriaga" quando usada de maneira imoderada. O costume entre os judeus, é que o noivo deve estar e permanecer em jejum no dia do seu casamento para não se embriagar com seus amigos convidados:

Em certas comunidades, o noivo e a noiva jejuam no dia do casamento, enquanto em outras só o noivo segue este costume. Alguns judeus crêem que, se não fosse obrigado a jejuar, o noivo poderia se reunir com seus amigos na celebração pré-nupcial e se embriagar, o que o deixaria em más condições para efetuar as formalidades legais envolvidas na cerimônia de casamento. Não se exige que a noiva jejue pois é considerado pouco provável que os amigos da noiva consumam ou a induzam a consumir bebidas alcoólicas.” (J. Kolatch Alfred. Livro Judaico dos Porquês, pág. 37, 3ª Edição: março de 2001, Editora e Livraria Sêfer Ltda, São Paulo, SP, Brasil). - O negrito é meu.

O costume do casamento entre os judeus é que há exceção para a noiva - em certas comunidades judaicas - que a mesma jejua, pois é “pouco provável” que seus amigos a induza a consumir bebidas alcoólicas. 

NA CEIA DO SENHOR  FOI SERVIDO SUCO DE UVA OU VINHO ALCOÓLICO?

A expressão “fruto da vide” mencionado na Ceia do Senhor, de modo algum significa “suco de uva” (?), algo não fermentado:

"E digo-vos, que desde agora, não beberei deste fruto da vide, até aquele dia em que o beba novo convosco no reino de meu Pai." (Mateus 26.29). - O negrito é meu.

O significado judaico e grego à expressão  "fruto da vide":

Fruto da vide, frase falada por Jesus por ocasião de instituir a Santa Ceia, Mt 26. 29; é expressão usada pelos judeus, desde tempos imemoriais, para designar o vinho que tomavam em ocasiões solenes, tais como, pela festa da Páscoa e na tarde do sábado (Mishna, Berakoth, 6. 1). Os gregos também empregavam a mesma frase, como sinônimo de vinho capaz de embriagar, Heród. 1. 211, 212.” (D. Davis, John – Dicionário da Bíblia, pág. 619. 12ª Edição, Confederação Evangélica do Brasil, JUERP). - O negrito é meu.

Até hoje, segundo o costume, os judeus festejam a "Páscoa" (hebr. Pêssach) com vinho alcoólico:

"Como pessoas livres e importantes bebem vinhos bons de qualidade, deve-se procurar, para o Sêder, um vinho forte que contenha álcool e que, de preferência, não seja fervido. Como segunda opção, pode-se usar vinho fervido. Alguém que tem medo de tomar vinho, pois pode ficar tonto e não aguentar o Sêder até o final, é melhor que tome um vinho mais fraco. É mais importante participar do Sêder até o final do que beber um vinho forte. Uma opção é misturar vinho com suco de uva." (Koschland, Meir. Meafelá Leor Gadol - Leis, Costumes e Motivos do Sêder de Pêssach, pág. 58, 2ª Edição, Multcorte Gráfica e Editora, São Paulo, SP, Brasil). - O negrito é meu.

Como todos os da família judia são obrigados a participar do Pêssach (Páscoa), apenas às crianças são dadas o simples "suco de uva":

"É correto dar às crianças suco de uva e não vinho." (Koschland, Meir. Meafelá Leor Gadol - Leis, Costumes e Motivos do Sêder de Pêssach, pág. 60, 2ª Edição, Multcorte Gráfica e Editora, São Paulo, SP, Brasil). - O negrito é meu.

Fica evidente - entre os judeus - a distinção entre "vinho" e "suco de uva" na refeição Pascoal. O vinho servido por Jesus na páscoa é o mesmo servido na Santa Ceia, não era "suco da uva" e muitos confundem "fermentação vinosa" com fermento, sendo coisas distintas:

Dizem que pelo fato de ser proibido o fermento durante os sete dias da festa pascoal, o vinho usado nessa solenidade não devia ser fermentado. O argumento não procede. A fermentação vinosa nunca se chamou fermento.” (D. Davis, John – Dicionário da Bíblia, pág. 619. 12ª Edição, Confederação Evangélica do Brasil, JUERP). – O negrito é meu.

A fermentação vinosa era natural por não conter fermento, o vinho pascoal não recebia nenhum produto para ser  misturado, mas era naturalmente o “bom vinho”, o superior:

O vinho tinto é servido tradicionalmente à mesa do Sêder porque o Talmud considera o vinho tinto superior ao branco.” (J. Kolatch Alfred. Livro Judaico dos Porquês, págs. 218 e 219, 3ª Edição: março de 2001, Editora e Livraria Sêfer Ltda, São Paulo, SP, Brasil). – O negrito é meu.

 Sêder é uma refeição noturna que dá início a festa da páscoa entre os judeus, é mencionada em Mateus 26.17. Nos tempos dos apóstolos ainda havia esse costume, e alguns cristãos bebiam imoderadamente no Sêder, o que levou Paulo a repreendê-los energicamente:

Porque, comendo, cada um toma antecipadamente a sua própria ceia; e assim um tem fome e outro embriaga-se. Não tendes porventura casas para comer e para beber? Ou desprezais a igreja de Deus, e envergonhais os que nada têm? Que vos direi? Louvar-vos-ei? Nisto não vos louvo.” (1 Coríntios 11.21, 22). - O negrito é meu.

O texto acima aponta vinho que embriaga presente na Ceia do Senhor. Vejamos como faziam os judeus para "enfraquecê-lo" na Páscoa:

Todos deveriam ter o cuidado de não o tomarem em excesso. Os meios empregados para neutralizar os efeitos perigosos do vinho, eram: 1. Enfraquecê-lo com água, 2 Mac 15. 39; Heród. 6. 84, como se pode ver no modo de celebrar a Páscoa em que os servos levavam uma vasilha com água quente para misturar no vinho que era usado nessa solenidade (Mishna, Pesachim, 7. 13; 10.2,4,7).” (D. Davis, John – Dicionário da Bíblia, pág. 619. 12ª Edição, Confederação Evangélica do Brasil, JUERP).

A Bibliografia citada da literatura judaica (Mishna, Pesachim, 7.13; 10.2,4,7) é uma prova de que se usava vinho embriagante na "Páscoa" (hebr. pessach) desde tempos imemoriais, o qual Jesus se utilizou. A expressão "fruto da vide" era usada tanto por judeus como pelos gregos como referência ao vinho capaz de embriagar:

"Fruto da vide, frase falada por Jesus por ocasião de instituir a Santa Ceia, Mt 26.29; é expressão usada pelos judeus, desde tempos imemoriais, para designar o vinho que tomavam em ocasiões solenes, tais como, pela festa da Páscoa e na tarde do sábado (Mishna, Berakoth, 6.1). Os gregos também empregavam a mesma frase, como sinônimo de vinho capaz de embriagar, Heród. 1. 211, 212." (D. Davis, Jonh. Dicionário da Bíblia, pág. 619. 12ª Edição, Confederação Evangélica do Brasil, JUERP). - O negrito é meu.

Uma bela alusão da mistura de água no vinho pascoal, seja talvez um símbolo aludindo à devida passagem Bíblica:

"Contudo um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água." (João 19.35). - O negrito é meu.

Os líderes da igreja Cristã não deveriam ser pessoas “dadas” (gr. paroinos = escravo da bebida) ao vinho, isto é, “alguém que senta-se por muito tempo com o seu vinho, escravo da bebida” (Rienecker, Fritz; Rogers, Cleon. Chave Linguística do Novo Testamento Grego, pág. 461, 1ª Edição em Português: 1985, Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, SP, Brasil).

Isto é enfatizado nas devidas passagens de 1Timóteo 3.3,8; em Tito 1.7 é recomendado “um pouco” como algo medicinal. A recomendação a todos os crentes não é só referente ao vinho:

Bom é não comer carne, nem beber vinho, nem fazer outras coisas em que teu irmão tropece, ou se escandalize, ou se enfraqueça.” (Romanos 14.21). - O negrito é meu.

Mesmo assim, o devido verso e contexto em nada proíbem. Entretanto, sempre é bom evitar tudo aquilo que pode trazer transtornos no futuro; afinal, nem todos conseguem reger seu apetite com sabedoria e as Escrituras repreendem energicamente aqueles que se demoram ou se entregam ao vinho. Este estudo foi elaborado para mostrar a verdade escrita na Palavra de Deus, tal qual consta em Seu Sagrado conteúdo, sem enfeites. Informo ao leitor, antes de qualquer pedrada em minha direção, que eu não tomo vinho (salvo, o da Ceia do Senhor) e nenhuma bebida alcoólica ocupa espaço em minha mesa, seja ela de qualquer natureza. Minha posição e missão é o de falar e pregar a verdade das Escrituras tal como Ela é, doa a quem doer. 

Deus vos abençoe.
Romário N. Cardoso

BIBLIOGRAFIA

Bíblia Apologética de Estudo – ICP – Edição Ampliada. Almeida, Corrigida, Fiel – ACF, Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil, São Paulo – SP, Brasil;
Bíblia Hebraica Stuttgartensia, Sociedade Bíblica do Brasil, Deutche Bibelgesellschaft;
Septuaginta, Sociedade Bíblica do Brasil, Deutche Bibelgesellschaft;
Bíblia Sagrada, Tradução Brasileira – Edição com Referências, 2011, Sociedade Bíblica do Brasil, Barueri, São Paulo;
Η ΚΑΙΝΗ ΔΙΑΘΗΚΗ. London. Trinitarian Bible Society - T.B.S;
תורה נביאים כתובים והברית החדשה . London. Trinitarian Bible Society – TBS;
Rienecker, Fritz; Rogers, Cleon. Chave Lingüística do Novo Testamento Grego. 1ª Edição em português - 1985. São Paulo, Brasil. Vida Nova;
Koschland, Meir. Meafelá Leor Gadol - Leis, Costumes e Motivos do Sêder de Pêssach, 2ª Edição, Multcorte Gráfica e Editora, São Paulo, SP, Brasil;
Concordância Fiel do Novo Testamento Grego – Português – Português – Grego. 1ª Edição – 1994. São José dos Campos, São Paulo, Brasil. Editora FIEL;
Rusconi, Carlo. Dicionário do Grego do Novo Testamento. 2ª Edição, 2005. São Paulo, Brasil. Paulus;
Alonso Schökel, Luis. Dicionário Bíblico Hebraico – Português. 3ª Edição, 2004. São Paulo, Brasil. Paulus;
L. Holladay, William. Léxico Hebraico e Aramaico do Antigo Testamento. 1ª Edição, 2010. São Paulo, Brasil. Vida Nova;
Vine, W. E.; F. Unger, Merril; White Jr., William. Dicionário Vine – O Significado Exegético e Expositivo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento – 2ª Edição, 2003. Rio de Janeiro, Brasil. CPAD;
D. Davis, John – Dicionário da Bíblia, 12ª Edição, Confederação Evangélica do Brasil, JUERP;
J. Kolatch Alfred. Livro Judaico dos Porquês, 3ª Edição: março de 2001, Editora e Livraria Sêfer Ltda, São Paulo, SP, Brasil;
Rusconi, Carlo. Dicionário do Grego do Novo Testamento. 2ª Edição, 2005. São Paulo, Brasil. Paulus.

14 comentários:

  1. A Paz de Deus irmão Romário; por gentileza o irmão poderia fazer uma ACAREAÇÃO a respeito desse TRECHO que o pastor menciona a respeito do vinho na santa Ceia; apesar de seu texto está bem patente e esclarecido; é só para tirar supostas duvidas. Deus que te abençoe.

    ***
    O USO DO VINHO NA CEIA DO SENHOR.

    Jesus usou uma bebida fermentada ou não fermentada de uvas, ao instituir a Ceia do Senhor (Mt 26.26-29; Mc 14.22-25; Lc 22.17-20; 1 Co 11.23-26)?
    Os dados abaixo levam a conclusão de que Jesus e seus discípulos beberam no dito ato suco de uva não fermentado.

    (1) Nem Lucas nem qualquer outro escritor bíblico emprega a palavra "vinho" (gr. oinos) no tocante a Ceia do Senhor.
    Os escritores dos três primeiros Evangelhos empregam a expressão "fruto da vide" (Mt 26.29; Mc 14.25; Lc 22.18).
    0 vinho não fermentado é o único "fruto da vide" verdadeiramente natural, contendo aproximadamente 20% de açúcar e nenhum álcool.
    A fermentação destrói boa parte do açúcar e altera aquilo que a videira produz.
    O vinho fermentado não é produzido pela videira.

    (2) Jesus instituiu a Ceia do Senhor quando Ele e seus discípulos estavam celebrando a Páscoa.
    A lei da Páscoa em Ex 12.14-20 proibia, durante a semana daquele evento, a presença de seor (Ex 12.15), palavra hebraica para fermento ou qualquer agente fermentador.
    Seor, no mundo antigo, era freqüentemente obtido da espuma espessa da superfície do vinho quando em fermentação.
    Além disso, todo o hametz (i.e., qualquer coisa fermentada) era proibido (Ex 12.19; 13.7).
    Deus dera essas leis porque a fermentação simbolizava a corrupção e o pecado (cf. Mt 16.6,12; 1 Co S.7,8).
    Jesus, o Filho de Deus, cumpriu a lei em todas as suas exigências (Mt 5.17).
    Logo, teria cumprido a lei de Deus para a Páscoa, e não teria usado vinho fermentado.

    (3) Um intenso debate perpassa os séculos entre os rabinos e estudiosos judaicos sobre a proibição ou não dos derivados fermentados da videira durante a Páscoa.
    Aqueles que sustentam urna interpretação mais rigorosa e literal das Escrituras hebraicas, especialmente Ex 13.7, declaram que nenhum vinho fermentado devia ser usado nessa ocasião.

    (4) Certos documentos judaicos afirmam que o uso do vinho não fermentado na Páscoa era comum nos tempos do NT.
    Por exemplo: "Segundo os Evangelhos Sinóticos, parece que no entardecer da quinta-feira da última semana de vida aqui, Jesus entrou com seus discípulos em Jerusalém, para com eles comer a Páscoa na cidade santa; neste caso, o pão e o vinho do culto de Santa Ceia instituído naquela ocasião por Ele, como memorial, seria o pão asmo e o vinho não fermentado do culto Seder" (ver "Jesus". The Jewish Encyclopedia, edição de 1904. V.165).

    (5) No AT, bebidas fermentadas nunca deviam ser usadas na casa de Deus, e um sacerdote não podia chegar-se a Deus em adoração se tomasse bebida embriagante (Lv 10.9 nota).
    Jesus Cristo foi o Sumo Sacerdote de Deus do novo concerto, e chegou-se a Deus em favor do seu povo (Hb 3.1; 5.1-10).

    (6) 0 valor de um símbolo se determina pela sua capacidade de conceituar a realidade espiritual.
    Logo, assim como o pão representava o corpo puro de Cristo e tinha que ser pão asmo (i.e., sem a corrupção da fermentação), o fruto da vide, representando o sangue incorruptível de Cristo, seria melhor representado por suco de uva não fermentado (cf. 1 Pe 1.18,19).
    Uma vez que as Escrituras declaram explicitamente que o corpo e sangue de Cristo não experimentaram corrupção (Sl 16.10; At 2.27; 13.37), esses dois elementos são corretamente simbolizados por aquilo que não é corrompido nem fermentado.

    (7) Paulo determinou que os coríntios tirassem dentre eles o fermento espiritual, i.e., o agente fermentador "da maldade e da malícia", porque Cristo é a nossa Páscoa (1 Co 5.6-E).

    Pr. Nilton Bernini

    (Copie e distribua ampla mas gratuitamente, mantendo o nome do autor e pondo link para esta página de http://solascriptura-tt.org)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém, irmão!

      O amado pediu uma "acareação" sobre o vinho usado na Santa Ceia...

      Pois, bem, eu creio que o amado não percebeu, pois em meu texto já existe uma "acareação" sobre a devida passagem. O vinho da Ceia é chamado de fruto da vide, vou repetir aqui a acareação:

      “Fruto da vide, frase falada por Jesus por ocasião de instituir a Santa Ceia, Mt 26. 29; é expressão usada pelos judeus, desde tempos imemoriais, para designar o vinho que tomavam em ocasiões solenes, tais como, pela festa da Páscoa e na tarde do sábado (Mishna, Berakoth, 6. 1). Os gregos também empregavam a mesma frase, como sinônimo de vinho capaz de embriagar, Heród. 1. 211, 212.” (D. Davis, John – Dicionário da Bíblia, pág. 619. 12ª Edição, Confederação Evangélica do Brasil, JUERP).

      A referência acima possui a sua atestação Bíblica, pois em Corinto (cidade grega) o fruto da vide era fermentado, pois Paulo até repreende alguém que se "embriaga" com o devido vinho a ser usado:

      “Porque, comendo, cada um toma antecipadamente a sua própria ceia; e assim um tem fome e outro embriaga-se. Não tendes porventura casas para comer e para beber? Ou desprezais a igreja de Deus, e envergonhais os que nada têm? Que vos direi? Louvar-vos-ei? Nisto não vos louvo.” (1 Coríntios 11.21, 22).

      Veja que a devida referência diz que os gregos "TAMBÉM" usavam a expressão "fruto da vide" como sinônimo de vinho capaz de embriagar. Veja mais uma "acareação":

      “Dizem que pelo fato de ser proibido o fermento durante os sete dias da festa pascoal, o vinho usado nessa solenidade não devia ser fermentado. O argumento não procede. A fermentação vinosa nunca se chamou fermento.” (D. Davis, John – Dicionário da Bíblia, pág. 619. 12ª Edição, Confederação Evangélica do Brasil, JUERP).

      Ora, amado, a fermentação vinosa nunca se chamou "fermento", portanto, coisa que o texto que você apresentou confunde uma coisa com outra. Deus proibiu a presença de "fermento", cujo palavra hebraica é "se'or", e a coisa fermentada com "se'or" (fermento) se chama "chametz". Na fermentação vinosa não leva "se'or" (fermento) como ocorre com o pão ou bolo.

      Portanto, a fermentação vinosa nunca ou jamais pode ser chamado de "fermento" (hebr. se'or), conforme a referência supracitada demonstrando o equívoco até então corrente.

      Deus o abençoe.







      Excluir
  2. A Paz de Deus; é verdade irmão ,encontrando esses versículos na Bíblia percebe que Nosso Senhor Jesus Cristo não deu mandamento para se guarda do "fermento " antes pelo contrário da doutrina dos fariseus :- São Mateus 16:11 e 12; :

    Como não compreendeste que não vos falei a respeito do pão , mas que guardásseis do fermento dos fariseus e
    saduceus?

    Então compreenderam que não dissera que se guardassem do FERMENTO DO PÃO , mas da doutrina dos fariseus.

    A respeito do vinho : Uma libação de vinho era apresentada com os sacrifícios cotidianos (ÊX 29:40, 41)

    Em pesquisa na internet encontrei essa parte : O suco de uva só foi inventado no século XIX, quando Louis Pasteur descobriu
    a esterilização, ou pasteurização, e então se pôde esterilizar ou
    pasteurizar o suco de uva e a garrafa em que ele está acondicionado,
    evitando assim que ele fermente.

    A fermentação do mosto (suco de uva) é causada por um fungo, chamado
    saccharomyces, o qual existe nas próprias cascas das uvas, e em suspensão no
    ar, de modo que o suco de uva só não fermenta se for esterilizado (ou
    pasteurizado), e nos tempos bíblicos ainda não havia sido inventado o
    processo de esterilização (ou pasteurização).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O fato é que a fermentação vinosa não é chamada de "fermento".

      “Todos deveriam ter o cuidado de não o tomarem em excesso. Os meios empregados para neutralizar os efeitos perigosos do vinho, eram: 1. Enfraquecê-lo com água, 2 Mac 15. 39; Heród. 6. 84, como se pode ver no modo de celebrar a Páscoa em que os servos levavam uma vasilha com água quente para misturar no vinho que era usado nessa solenidade (Mishna, Pesachim, 7. 13; 10.2,4,7).” (D. Davis, John – Dicionário da Bíblia, pág. 619. 12ª Edição, Confederação Evangélica do Brasil, JUERP).

      O Dicionário citado acima, diz que o vinho utilizado na Páscoa era vinho que embriaga, e para tirar os "efeitos" perigosos do vinho, "OS SERVOS LEVAVAM UMA VASILHA COM ÁGUA QUENTE PARA MISTURAR NO VINHO QUE ERA USADO NESSA SOLENIDADE". Como fonte dessa afirmativa, o erudito Jonh D. Davis cita a própria literatura judaica antiga e as devidas páginas referenciais: "Mishna, Pesachim, 7. 13; 10.2,4,7.

      Excluir
    2. Comprovando o meu estudo de que o vinho servido no Sêder Pascoal é ALCOÓLICO, veja a afirmação judaica sobre as leis dos quatro copos de vinho do Sêder:

      "Alguém que tenha dificuldades para beber o vinho pode usar suco de uva, mas deve adicionar um pouco vinho de forma com que o gosto do álcool possa ser detectado." (Fonte:http://www.aishbrasil.com.br/new/artigo_leis.asp)

      Excluir
    3. Até o final deste mês estarei postando uma matéria - específica - sobre o vinho utilizado na Santa Ceia.

      Excluir
  3. muitos falam que a CCB esta embriagando os jovens é mais falam que e anti higiênico beber em um só calice ai que essas pessoas se enganam o vinho e anti-séptico olha como Deus é magnifico pensou ate nisso e é de costume lá na Europa familias se reuni para tomar vinho por que dá mais disposição recuperar o ânimo e superar o cansaço e a tristeza, a única fonte de conforto e coragem, o único remédio e anti-séptico. o povo que gosta de fala principalmente a CACP nós odeia esse monopolio da AD aff me deicha cada vez mais triste

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmão Yuri,

      Caso o álcool presente no vinho seja suficiente para eliminar bactérias e vírus presentes na parte interna do copo, não fará efeito algum na parte externa. Os lábios também tocam a parte externa do copo (contaminando a borda), onde o vinho não alcança. O pano que os irmãos usam também não adianta, isso sem falar que não é um pano ou lenço descartável (o mesmo pano é usado até o fim da Santa Ceia).
      É sim anti higiênico todos beberem no mesmo cálice, e diversas doenças são transmitidas quando se compartilha o mesmo copo (tanto por vírus quanto por bactéria). Veja no link abaixo algumas informações fornecidas por infectologistas:

      http://globotv.globo.com/rede-globo/bem-estar/v/compartilhar-o-copo-pode-transmitir-virus-e-bacterias/2394287/
      http://www.sissaude.com.br/sis/inicial.php?case=2&idnot=17611

      Outro detalhe, não há nenhuma recomendação bíblica obrigando a compartilhar o cálice. Se o irmão achar me avise. Esse é um costume, não uma doutrina. Beber o vinho da Santa Ceia em copos individuais, em nada invalidará ou diminuirá a celebração. Fora isso, compartilhar o cálice pode provocar constrangimentos, como cabelos de irmãs que entram no cálice, irmãos e irmãs que involuntariamente desprendem saliva ao tomar no mesmo cálice, irmãos e irmãs com ferida provocada por herpes com receio de transmitir aos outros e etc.

      Se entrarmos no campo da fé, como por exemplo dizer "Deus não deixará que nenhuma doença seja transmitida", seria algo como tentar a Deus. Até nossos líderes já demonstraram receio de que doenças sejam transmitidas. Veja só:

      4 - BATISMO DE AIDÉTICOS (55ª ASSEMBLÉIA - 1990)

      Deve-se explicar à irmandade que, quando souberem de algum doente, portador de AIDS, que deseja ser batizado, não devem traze-lo nos batismos gerais. Para esses casos deverá ser feito um batismo especial, na própria congregação. Se necessário, o servo irá à casa do próprio enfermo e fará o batismo, em um tanque portátil, que depois será convenientemente lavado.
      NAS SANTAS CEIAS, SE HOUVER ALGUM IRMÃO AIDÉTICO, DEVERÁ FICAR PARA A ÚLTIMA RODADA, NO FIM. E DEVERÁ SER ACONSELHADO A RETIRAR-SE SEM SAUDAR A IRMANDADE. ESSAS CAUTELAS SE FAZEM NECESSÁRIAS, EM VIRTUDE DE PROBLEMAS SANITARISTA."
      fonte: http://www.ccbhinos.com.br/topicos-de-ensinamentos-congregacao-ccb/Topicos-de-ensinamentos-1990---55---Assembleia-4

      Desde a década de 80 era sabido que o HIV não é transmitido compartilhando copo ou nadando na mesma piscina. O conselho de anciães errou FEIO. Mas mesmo assim mostra que até eles tem preocupação com transmissão de doenças.

      Conheço anciães favoráveis a servir o vinho da Santa Ceia em copinhos individuais. Mas na CCB contrariar costumes antigos, mesmo sem embasamento bíblico é muito complicado. Ora, se o pão é dividido em pedaços e servido, por que não pode com o vinho?

      Esse é somente o meu ponto de vista irmão Yuri. Deus o abençoe!

      Excluir
  4. E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos;
    Mateus 26:27 precisa falar mais e o vinho e anti-séptico queira ou não agora vim com essas historinha de "Esse é um costume, não uma doutrina. " então tudo na biblia e um costume ate pastor recebe salario ?? agora aperto. essas teologia aff

    ResponderExcluir
  5. A paz de Deus. Irmão, poderia fazer uma análise a favor da CCB "Brás"? em meio a essa crise de dissidências que está ocorrendo. Na internet só acho sites falando mal da igreja e nada imparciais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém! No momento, irmão Lucas de Moraes, estou trabalhando na elaboração de outra matéria, mas assim que puder vou ver o que posso fazer.

      Não vejo "crise" alguma, o que mais vejo em certos comentários é a transformação de formiga em elefante. Tentam passar uma impressão de "crise" para assustar desavisados. Nada mais natural e Bíblico o Inimigo ficar uivando para assustar o rebanho que pasta em paz e tranquilamente, a intenção deles é criar debandada e estouro na manada assustando-a. As ovelhas do Senhor conhece a voz do seu Pastor, a dos estranhos vem a roubar, matar e destruir.

      Como eu disse, assim que eu terminar uma matéria em andamento, vou ver o que posso fazer a respeito.

      Deus o abençoe.

      Excluir
  6. Excelente estudo, e muito bém fundamentado. É bem verdade que muitos pastores e pregadores torcem de forma gratuita e injustificável as Escrituras em muitos aspectos.

    Parabéns ao autor do artigo pela clareza e honestidade.

    ResponderExcluir
  7. Muito bom esse estudo, mas fiquei confusa, pelo o que li fala-se em diversos tipos de vinho, nao ficou muito claro pra mim se o fruto da vide que Jesus fala é suco de uva. por favor poderia esclarecer melhor, queria os versiculos em Hebraico e em Portugues falando de cada tipo de vinho para que eu pudesse compara-los e ver a diferença, tem como voce (Ir Autor) mim responder isso?? obgda!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O fruto da vide se refere a vinho mesmo, e não o simples 'suco' (?). Até hoje os judeus celebram a Páscoa com vinho alcoólico, a "fermentação vinosa" nunca se chamou fermento:

      “Dizem que pelo fato de ser proibido o fermento durante os sete dias da festa pascoal, o vinho usado nessa solenidade não devia ser fermentado. O argumento não procede. A fermentação vinosa nunca se chamou fermento.” (D. Davis, John – Dicionário da Bíblia, pág. 619. 12ª Edição, Confederação Evangélica do Brasil, JUERP).

      O mesmo vinho servido na Páscoa foi utilizado por Jesus na instituição da Ceia Cristã, a Ceia do Senhor.

      "Fruto da vide, frase falada por Jesus por ocasião de instituir a Santa Ceia, Mt 26.29; é expressão usada pelos judeus, desde tempos imemoriais, para designar o vinho que tomavam em ocasiões solenes, tais como, pela festa da Páscoa e na tarde do sábado (Mishna, Berakoth, 6.1). Os gregos também empregavam a mesma frase, como sinônimo de vinho capaz de embriagar, Heród. 1. 211, 212." (D. Davis, Jonh. Dicionário da Bíblia, pág. 619. 12ª Edição, Confederação Evangélica do Brasil, JUERP).

      Creio ter sido claro. Deus abençoe.

      Excluir